Sustentabilidade

Quarentena faz coleta seletiva subir em SP: as pessoas estão mais cuidadosas?

por: Vitor Paiva

Patrocinado por:
Notice: Undefined index: facebook_titulo in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/single.php on line 90

A situação de quarentena que isolou a população em suas casas pelo combate ao coronavírus alterou diversas dinâmicas sociais em todo o planeta – e o mesmo pode ser percebido em São Paulo. Mais precisamente, no lixo da capital paulista: dados da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) comprovam redução no volume de lixo e aumento na reciclagem na cidade durante a primeira quinzena do mês de abril.

Ruas vazias – e mais limpas – da cidade de São Paulo na quarentena © PixaBay

A redução de aproximadamente 55% nos dados de varrição aponta a consideravel redução de resíduos nas ruas, alinhada à diminuição de 12% das coletas residenciais. Ambos os dados estão diretamente ligados à redução dos serviços não essenciais na cidade. A redução da presença de pessoas nas ruas também fez com que a produção de lixo diminuísse consideravelmente – foram 1,8 mil toneladas de resíduos retirados das ruas de São Paulo nos primeiros dias de abril de 2020, enquanto no ano passado os números, no mesmo período, passaram de 4,1 mil toneladas.

Centro de reciclagem na capital paulista © Prefeitura de São Paulo

Junto da redução, um bom aumento: a coleta seletiva no mesmo período cresceu 25% em relação ao mesmo período em 2019. Nesse ano foram coletadas 4 mil toneladas para reciclagem – um aumento considerável em relação às 3,2 mil toneladas do ano passado. A possível maior adesão dos paulistanos à reciclagem é uma ótima notícia, que pode significar uma primeira e importante conscientização provocada pela quarentena – das tantas conscientizações que teremos que tirar desse momento.

Material separado para reciclagem © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Energia renovável: o futuro que já chegou