Sustentabilidade

Baleia tem cauda arrancada em SC e polícia investiga envolvimento de pescadores

por: Yuri Ferreira

Um vídeo que circulou nas redes sociais de uma baleia jubarte tendo sua cauda arrancada por um barco  causou indignação. O possível crime ambiental está sendo investigado pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio) e pela Polícia Federal. As imagens mostram que a baleia perdeu sua cauda, uma mutilação grave que faria com que o animal parasse de nadar e, consequentemente, morrer por inanição ou atolada na praia. O ato aconteceu em Piçarras, litoral norte de Santa Catarina.

– Mais de 653 ambientalistas foram assassinados no Brasil neste século

A cauda da baleia ficou presa nas cordas da embarcação. Responsáveis podem ser punidos criminalmente

A Polícia Federal já apreendeu o barco dos pescadores e está ouvindo testemunhas para apurar o envolvimento dos tripulantes no incidente. Caso seja comprovado pelos especialistas que a mutilação no animal poderia ser evitada e aconteceu por pesca, os responsáveis irão responder criminalmente por ameaçar uma espécie protegida. As penas variam de 1 a 3 anos de detenção e de 2 a 5 anos de reclusão.

“A reação da baleia quando prende a cauda sempre é girar para tentar se libertar daquilo, isso geralmente ocasiona o emalhamento no cabo. A primeira análise que a gente tem é que está tudo errado. De forma alguma uma baleia daquele tamanho põe aquele barco a pique. Ela não ameaçaria aquele barco. Existe uma desproporção muito grande de massa, principalmente porque a baleia não vai puxar pra baixo quando ela está nessa situação, ela vai puxar pra frente ou para os lados”, explica Jules Soto, curador do Museu Oceanográfico da Universidade do Vale do Itajaí ao G1.

– Árvore de 535 anos, mais antiga que o Brasil, é derrubada para virar cerca em SC

Nas imagens, é possível ver a  cauda da baleia presa na popa da embarcação. Durante o vídeo, os pescadores dizem que a baleia “foi atrás do barco”. Eles poderiam ter cortado as cordas e prevenir o acidente, segundo análises prévias de especialistas.

“É uma atrocidade. É um animal protegido por lei, teria que danificar o petrecho de pesca [para soltá-la]. Ela não vai morrer de hemorragia, é um animal que praticamente vai morrer de inanição”, completou Soto.

Se você quiser, pode ver as fortes imagens no Youtube:

Publicidade

Fotos: Reprodução/Youtube


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Pegada de carbono do mundo dos esportes pode ser comparada a de um país inteiro