Debate

Brasil caminha para novo recorde de desmatamento da Amazônia

por: Mari Dutra

Entre agosto de 2019 e abril de 2020, o desmatamento da Amazônia foi 94% maior do que nos 12 meses anteriores. Os dados são do Sistema de Detecção de Desmatamento em Tempo Real (Deter-B), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), e foram divulgados pela WWF Brasil.

As informações sobre desmatamento costumam ser agrupadas em períodos anuais, que vão de agosto de um ano a julho do ano seguinte. Entretanto, os índices dos últimos nove meses já superam significativamente os dados de períodos anteriores, apontando um aumento recorde no desmatamento.

Neste intervalo, a área desmatada na Amazônia totalizou 5.666 km². Em abril deste ano, o desmatamento atingiu 405,6 km². O número é 64% mais alto do que mesmo período em 2019, quando 247,7 km² foram devastados.

Os últimos alertas do Deter indicam o desmatamento de áreas protegidas por lei no Pará e no noroeste de Rondônia. Entre elas estão os parques nacionais Mapinguari, Campos Amazônicos, Juruena e Acari.

– Desmatamento da Amazônia registra aumento de 51% em março

“A nova taxa oficial dos dados do sistema PRODES deverá ultrapassar, e muito, os 10 mil km² observados no ano passado. Ao contrário dos dados de 2019, que consideravam um período ainda sob a gestão do presidente Temer, o novo e impressionante recorde que se avizinha é de exclusiva responsabilidade do governo Bolsonaro”, declara Mauricio Voivodic, diretor-executivo do WWF-Brasil, no comunicado.

Dados do Programa de Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite (Prodes) são divulgados anualmente e tendem a ser mais precisos do que os alertas diários emitidos pelo sistema Deter. Apesar disso, nunca foi observada divergência entre a tendência apontada pelo Deter e os números divulgados pelo Prodes.

– Garimpeiros avançam e desmatamento em terras indígenas aumenta 59% durante a pandemia

Desmatamento e a MP 910

A MP 910, mais conhecida como MP da Grilagem, agrava este cenário, por permitir a legalização de terras desmatadas em anos anteriores. Uma campanha lançada pela WWF-Brasil, com conjunto com o Greenpeace, GT Infra, Instituto Socioambiental, ISPN (Instituto Sociedade, População e Natureza) e Observatório do Clima visa conscientizar a respeito dos perigos que a MP representa.

Através de um site criado para estimular o ativismo digital contra a medida provisória, com o nome de Saldão da Amazônia, é possível enviar e-mails automáticos aos parlamentares para exercer pressão contra a MP.

Leia também: Coronavírus não muda realidade da Amazônia e desmatamento sobe mais de 200%

Publicidade

Foto em destaque CC BY 3.0 BR Wilson Dias/Agência Brasil


Mari Dutra
Criadora do Quase Nômade, contadora de histórias, minimalista e confusa por natureza, com os dois pés (e um pet) no mundo. Chega mais perto no Instagram.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mulher branca autora de show de homofobia em padaria não tem registro na OAB: ‘Quero que polícia se f*’