Ciência

Cientistas usam 3D e revelam imagens detalhadas sobre vidas mais antigas da Terra

por: Vitor Paiva

Há 1,9 bilhão de anos, uma forma de vida dez vezes menor que uma célula humana não dividia o planeta Terra com nenhum outro animal que não bactérias e microrganismos. Pois agora cientistas brasileiros utilizaram uma espécie de máquina de ráio-x superpotente para conseguiram pela primeira vez observar de perto uma dessas bactérias fossilizadas – e reconstruir em 3D esse microrganismo que habitava a Terra nos primórdios da vida no planeta como uma das mais antigas formas de vida terrestres.

Na reconstrução 3D do microfóssil, a parte verde é matéria orgânica, a laranja são cristais minerais e a parte azul são fraturas internas

Para observar em detalhes esse micro registro da vida há quase 2 bilhões de anos, os pesquisadores Lara Maldanis e Douglas Galante, do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) , em Campinas, trabalhando em parceria com cientistas suíços e franceses utilizaram o Sirius, um laboratório de luz síncotron de 4ª geração, que justamente funciona como uma espécie de “super raio-x” capaz de analisar materiais em escala molecular e atômica. Para tal observação, os cientistas aceleram os elétrons até quase a velocidade da luz, percorrendo o túnel de 500 metros 600 mil vezes por segundo.

Acima, a formação rochosa no Canadá; abaixo, detalhe da parte da rocha analisada

Os microfósseis observados no experimento foram encontrados em uma formação rochosa chamada Gunflint, localizada na Mink Mountain, no Canadá. A pesquisa revelou que fósseis que anteriormente eram considerados como revertidos do minério hematita eram na verdade compostos por materiais orgânicos.

A observação microscópica e, coloridas, as reconstruções em 3D a partir do acelerador

A descoberta oferece nova perspectiva para a análise de formas de vidas passadas e até mesmo para a análise de materiais vindos de outros planetas, como Marte. Além disso, o Sirius, em processo de instalação dentro do CNPEM, poderá ser utilizado em pesquisas para o combate ao novo coronavírus.

O acelerador de elétrons Sirius, em Campinas © CNPEM

Publicidade

© fotos: Lara Maldanis/créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Drauzio Varella critica médicos que defendem cloroquina: ‘Não consigo entender como apoiam negacionismo’