Ciência

Cigarro aumenta chances do coronavírus em combinação desastrosa, diz Fundação do Câncer

por: Redação Hypeness

Mais uma comprovação de que os fumantes fazem parte do grupo de risco para o contágio do novo coronavírus veio do diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni. Ele afirmou que como o tabagismo é fator de risco para infecções respiratórias, doenças vasculares, cardiovasculares e pulmonares, e a Covid-19 tem aí sua principal porta de entrada. “Combinação é catastrófica”, definiu Maltoni. 

O especialista apontou ainda uma recente análise publicada na China com os primeiros casos de Covid-19. O estudo comparou grupos de fumantes e não fumantes para mostrar que a doença teve evolução mais grave e maior índice de letalidade no grupo de fumantes. “Alguns artigos mostraram 1,5 vez mais, outros 2,4 vezes mais. Ou seja, você mais do que duplica a chance de a doença se agravar e duplica os óbitos em relação ao grupo que não fuma”, explicou.

– Fiocruz diz que coronavírus chegou ao Brasil antes do Carnaval; Rio teve 1ª morte

Maltoni chamou a atenção para o fato de o vírus se disseminar com facilidade, principalmente por contaminação pelo perdigoto (gotículas contaminadas de saliva). Outro agravante em relação ao tabagismo é o uso de narguilé (espécie de cachimbo de água de origem oriental, utilizado para fumar tabaco aromatizado e, ocasionalmente, maconha ou ópio). O mesmo ocorre em relação aos cigarros eletrônicos (também chamados de vape, são dispositivos eletrônicos para fumar alimentados por bateria de lítio). 

– Jovens são os mais infectados por coronavírus no Brasil; veja números

Embora a indústria do tabaco defenda que o instrumento ajuda as pessoas a pararem de fumar, o diretor executivo da Fundação do Câncer afirmou que esse tipo de cigarro tem em sua constituição substâncias tóxicas, incluindo a nicotina que é oferecida no formato líquido e forma um aerossol. “Essa inalação do volume de nicotina atinge a corrente sanguínea até mais rápido do que o cigarro convencional”, explicou Maltoni.

O profissional destacou ainda que a nicotina é o principal causador da dependência, com todos os efeitos de agressão ao organismo, como a alteração da imunidade celular em nível pulmonar, alteração do DNA da célula pulmonar, predispondo à transformação das células em câncer, em tumores. Isso também está presente no cigarro eletrônico.

– Coronavírus e pneumonia silenciosa: pacientes sentem-se bem já quase sem oxigênio no sangue

No último dia 11, a Organização Mundial da Saúde (OMS) fez uma declaração pública alertando que o tabaco mata mais de 8 milhões de pessoas em todo o mundo, a cada ano. Mais de 7 milhões dessas mortes são decorrentes do uso direto do tabaco e cerca de 1,2 milhão se deve ao fato de os não fumantes serem expostos ao fumo passivo.

– Coronavírus: Manaus relata colapso e tenta avião para repor estoque de caixões

A organização também se posicionou contrária a estudos favoráveis à adoção de substâncias como a nicotina no tratamento de pacientes com Covid-19.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê