Ciência

Estudo coloca Brasil como epicentro do coronavírus com 3 milhões de casos

por: Redação Hypeness

Sempre que o Ministério da Saúde divulga o total de óbitos e casos confirmados em 24 horas, surge alguém falando sobre a subnotificação provocada pela incapacidade brasileira de testar sua população. Um estudo realizado pelo Laboratório de Inteligência em Saúde da Faculdade Medicina de Ribeirão Preto, afirma que o Brasil rompeu a marca dos 3 milhões de infectados pelo novo coronavírus. As informações são da BBC Brasil. 

– Coronavírus: periferia não pode esperar a vontade do Estado. Negros serão mais impactados

Estudo aponta Brasil com 3 milhões de casos de covid-19

De acordo com o levantamento da instituição ligada à Universidade de São Paulo (USP), o país possui 11 vezes o número oficial de casos divulgados todos os dias pelo Ministério da Saúde. Os dados do estudo podem ser acessados no site covid-19 Brasil. Oficialmente, até a manhã de quarta-feira (20), são 273 mil positivos para a doença. 

O professor Domingos Alves, coordenador da equipe, disse à BBC Brasil que a discrepância entre os números se dá pela perda de controle do governo federal. “O número de casos está crescendo de forma exponencial. Posso afirmar categoricamente que o Brasil se tornou o polo mais importante de disseminação do vírus covid-19 do mundo”, afirmou ele que prevê um cenário “extremamente crítico até o fim do mês de maio”. 

A testagem, como foi dito, é um dos maiores entraves para o mapeamento assertivo do avanço da doença. O Brasil, país continental com mais de 200 milhões de habitantes, testou 3.462 mil por milhão de habitantes. A Argentina, que tem pouco mais da população total do estado de São Paulo, desenvolveu um sistema de testagem rápida e pretende fazer 200 mil exames por mês. No dia em que o Brasil rompeu a marca dos 1 mil mortos, nossos vizinhos contabilizaram 11 óbitos pela covid-19. 

Oficialmente, o país rompeu a marca dos 1 mil mortos

“A taxa de mortalidade do Brasil atualmente é de quase 8,6%, muito superior a de outros países, mas isso não se deve ao fato de que os brasileiros são mais propensos a morrer de covid-19”, explicou Alves à BBC.

– Coronavírus e a inabilidade social ameaçam negros e pobres

O Ministério da Saúde, desde o início da pandemia, passou por duas demissões. Mandetta e Teich deixaram o cargo por divergências com Jair Bolsonaro. Agora, no dia em que o Brasil bateu recorde de mortos em 24 horas, a pasta segue sem comando oficial. 

No momento, o Ministério é comandado pelo general Eduardo Pazuello, que nomeou ao menos 9 militares, sem experiência na área de saúde, para cargos no segundo escalão da pasta. Nesta terça-feira (19), em e-mail enviado aos jornalistas, a pasta preferiu exaltar o número de curados da doença: “Sobe para 106.794 o número de pessoas recuperadas da covid-19”, diz o breve texto. 

Publicidade

Fotos: Getty Images 


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Paciente tem perda auditiva repentina após contaminação por Covid-19