Criatividade

Fogaça, do ‘Masterchef’, vai lançar música punk ‘Covid-19’ com críticas políticas

por: Redação Hypeness

A banda de punk Oitão está aproveitando o ócio criativo na quarentena para compor. Entre seus integrantes: ninguém menos que o chef e empresário Henrique Fogaça, que está escrevendo uma música chamada “Covid-19”. 

Na coluna de Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo, ele disse que  a nova composição abordará questões políticas e econômicas dos efeitos da pandemia do coronavírus, assim como as reflexões que ele tem tido sobre esse momento. “A música vai transitar por essas interrogações, essa questão de resgatar algo que às vezes estava esquecido. Essa ideia de a gente se voltar mais para dentro [de nós mesmos] e ver o que é realmente importante”, explica. 

– ‘Masterchef’ confirma versão especial de quarentena; entenda

Fogaça explica: “sou roqueiro antes de ser cozinheiro. E o rock me trouxe algo muito visceral e comportamental em relação às questões da vida, da sociedade em que a gente vive. Sempre me identifiquei com as letras de contestação, de não se acomodar”. Ele disse ainda que a banda Oitão é um “espelho da sociedade” e “não é uma rebeldia sem causa”.

A banda de punk Oitão, com Henrique Fogaça

O chef disse a jornalista que lembra do momento em que percebeu que tudo iria mudar por conta da pandemia, em março: ele tinha acabado de voltar de uma viagem a Dubai, onde ouvia notícias sobre o vírus na Espanha e na Itália.“Olhei no espelho, eu comigo mesmo, e decidi que ia seguir a risca essa quarentena. Não dá pra brincar, eu tenho filhos pra cuidar, tenho o meu trabalho, a minha vida”, disse.

– ‘Masterchef’ tem expulsão após participante servir ave crua com penas

Em seu papel como chef, que vem depois do roqueiro, Fogaça agora administra todos os dias o seu restaurante, o Sal Gastronomia, que começou a atender somente via delivery. Além de sua participação na campanha “Marmita do Bem”, que distribui quentinhas aos mais necessitados, no centro de São Paulo. Ele conta que, quando chega em casa, fica “atento aos mínimos detalhes”: deixa os sapatos na porta, a roupa na área de serviço e toma um banho.

Além do Sal, Fogaça é dono também das casas Cão Véio e Jamile —e todas fecharam provisoriamente com a pandemia. O chef estima que teve que demitir cerca de cem funcionários, dos 400 que trabalham em suas casas. 

– Eliminado do Masterchef vai pra cima de Fogaça e assusta audiência

“É muito complicado. A folha de pagamento é enorme: tem os boletos, os fornecedores, contrato de shopping. E sem entrar faturamento. Vou pedir dinheiro em banco para poder segurar as coisas, e estou negociando com todo mundo. Começamos o delivery para pagar umas continhas e nos mantermos o máximo possível”, diz.

Ele estima que o projeto “Marmita do Bem”, que ajuda a coordenar, distribuiu no último mês mais de 10 mil marmitas, com média diária de cerca de 400 refeições em São Paulo. Além de doações de ingredientes, vindas de empresas e restaurantes, é possível colaborar com dinheiro.

– Paola, Jacquin e Fogaça estão bombando no delivery; veja melhores pratos

“É fazer o mínimo, um pouco pelas pessoas muito mais necessitadas que nós, né, que temos casa, temos comida. E os moradores de rua já ficam esperando a gente, falam que adoram a comida”, disse.  

As gravações para a nova temporada do reality gastronômico MasterChef Brasil (Band), no qual Fogaça é um dos jurados, foram interrompidas antes mesmo de começar. A emissora irá transmitir a reprise da primeira edição do MasterChef Profissionais.

O chef e roqueiro Henrique Fogaça

– Fogaça posta foto da filha, que se trata com canabidiol, em pé pela primeira vez

Para matar as saudades dos filhos, Olívia, de 13 anos, João, 11, e Maria, 4, que estão nas casas de suas mães, o chef faz chamadas de vídeo e eventuais visitas —“mandando beijinho de longe”. Ele diz que Olívia, que tem uma doença rara, está desde o começo da quarentena em casa, onde conta com o auxílio de duas enfermeiras que se revezam nos cuidados. 

Fogaça está fazendo quarentena no apartamento onde mora, no conjunto residencial Baronesa de Arary, um dos maiores, mais antigos e simbólicos da Avenida Paulista, o “treme-treme” — onde moram cerca de 3 mil pessoas. E onde também exerce o cargo de síndico.

Publicidade

Fotos: Reprodução / Instagram


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Gato pistola guardião de melancias faz sucesso em comunidade tailandesa