Debate

Lima Duarte relembra Flavio Migliaccio em vídeo que vira símbolo de resistência democrática

por: Karol Gomes

Em um vídeo divulgado nesta terça-feira (05), o ator Lima Duarte, de 90 anos, emocionou muita gente ao falar sobre a morte do colega e amigo Flavio Migliaccio, ator que foi encontrado morto na última segunda-feira (4).

“Eu te entendo, Migliaccio, porque eu, como você, sou do Teatro de Arena, com Paulo José, Chico de Assis, com o (Gianfrancesco) Guarnieri. Foi lá que aprendemos com o (Augusto) Boal que era preciso, era urgente que se pusesse o brasileiro em cena”, disse. 

Lima Duarte faz vídeo emocionado para lembrar amigo

– ‘É um filme vaginal, que não é fácil de se ver no cinema brasileiro’, diz Fernanda Montenegro sobre representante do Brasil ao Oscar 2020

No vídeo, de quase cinco minutos, Lima relembra de momentos difíceis enfrentados pelos atores durante a ditadura militar e faz uma analogia com o momento atual de tensão e ameaça contra sistema democrático.  

“Agora, quando sentimos o hálito putrefato de 64, o bafio terrível de 68, agora, 56 anos depois, quando eles promovem a devastação dos velhos, não podemos mais. Eu não tive a coragem que você teve”, disse Lima, referindo-se a suspeita de suicídio do amigo, que está sendo investigada pela polícia. 

Migliaccio foi encontrado morto na manhã de segunda-feira (04) em seu sítio em Rio Bonito, no Rio de Janeiro. Tinha 85 anos. Como disse Lima Duarte, ele atuou na cena teatral de São Paulo na década de 1950, integrando o importante grupo Teatro de Arena. O artista deixou uma carta aos familiares dizendo que estava cansado da realidade enfrentada pelo Brasil há décadas. 

– Sem indicações para atores ou atrizes negras, BAFTA anuncia que irá rever método de seleção

O ator Flavio Migliaccio morreu aos 85 anos

 

Em texto publicado no Facebook, o filho do ator, o jornalista Marcelo Migliaccio, escreveu: Ele sempre me dizia que não aguentava mais viver num mundo como esse e sentir seu corpo deteriorar-se rápida e irreversivelmente pela idade avançada. Pouco escutava e enxergava. ‘Daqui para frente só vai piorar’, ele me dizia enquanto eu buscava todos os argumentos possíveis para lhe mostrar que ainda havia muita coisa boa reservada para ele”.

Publicidade

Fotos: foto 1: Reprodução/Facebook/foto 2: Reprodução/TV Globo


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Torcedores sem máscara cobram jogadores por balada em meio à pandemia e mostram que ninguém tem razão