Debate

Marina Ruy Barbosa fala sobre ‘reconhecer privilégios’ e que mudou relação com redes durante pandemia

por: Yuri Ferreira

A atriz e influenciadora Marina Ruy Barbosa abriu o jogo para a coluna do Leo Dias e afirmou que é muito importante reconhecer privilégios durante um momento tão singular da história da humanidade: a pandemia de coronavírus. O aumento do desemprego, da desigualdade social e as mais de doze mil mortes no nosso país preocupam a atriz.

Marina Ruy Barbosa afirmou que é necessário reconhecer os seus privilégios

A tetraneta do embaixador Ruy Barbosa – um dos principais articuladores políticos da abolição, mas responsável por uma das piores decisões da história do Brasil, o apagamento dos documentos sobre a posse de escravizados – veio de uma família tradicional e rica, é casada com um milionário, mas entende que hoje é dever de qualquer influenciador o reconhecimento dos problemas sociais do nosso país:

“Acho que ter nascido em uma “família tradicional”, como você diz, é relativo. Hoje o que é tradicional está mudando, e ainda bem. Mas sim, nasci em uma família “padrão” e tive acesso à boa saúde, boa educação e vários outros privilégios que infelizmente muita gente não tem. Não acho que o problema esteja aí, o problema é não reconhecer os privilégios em um mundo e, principalmente, em um país tão desigual. Não me sinto temerosa com o que postar, mas acho que todos temos que ter consciência de quão delicado e sério é esse momento, e que é muito mais fácil pra quem tem uma casa grande, com infraestrutura, internet e mais facilidades para ficar de “quarentena” do que a maioria. Ou seja, colocar a mão na consciência e reclamar menos da vida, agradecer mais e fazer?”, contou à coluna do Leo Dias no UOL.

Quanto ao comportamento de celebridades na internet, Marina afirmou que os influenciadores devem agir positivamente durante a pandemia e não apenas tentar vender produtos. Para ela, as ações nas redes sociais devem estar combinadas com atitudes filantrópicas.

“Assim que tudo isso começou aqui no Brasil, falei com os meus parceiros comerciais que não iria fazer postagens de simplesmente venda de produtos. Mas que estava aberta a compartilhar tudo de bom que eles fizessem nesse período pra ajudar na luta contra o novo coronavírus e também ajudar de alguma forma os trabalhadores, mantendo os empregos etc. Todos entenderam e já estavam se posicionando dessa forma. Não dá pra ficar na bolha, tem que furar a bolha e enxergar a realidade, ter um olhar realmente empático e saber que não é hora de ‘#lookdodia’, e, sim, de fazer uma ação solidária e responsável todos os dias. E isso na minha opinião não tem só a ver com dinheiro e sim, com tempo, atenção e amor”, disse.

Nessa semana, a cantora Anitta, outra figura bastante conhecida por não ser muito ativa na política de facto e se posicionar de outras formas, também utilizou sua influência para falar sobre questões sociais. Muitas vezes acusada de ser “isentona”, a rainha do pop entrou em conflito com o deputado Felipe Carreras (PSB) sobre uma emenda que prejudicaria a distribuição de direitos autorais no país. Na mesma semana, ainda fez uma live com Gabriela Prioli, comentarista da CNN, explicando o beabá da política nacional para os seus fãs.

Anitta e Gabriela Prioli tiraram uma horinha da última sexta-feira para fazer uma live de educação sobre o nosso sistema político

No meio disso tudo, o “Rei do Youtube”, Felipe Neto, afirmou que nesse momento, é muito importante que todos os influenciadores denunciem as atrocidades cometidas pelo Governo Federal em tempos de pandemia. O desabafo do youtuber foi tão impactante que ele foi convocado a participar do Roda Viva da próxima segunda-feira (18).

“No momento em que ele vai a uma manifestação que pede o fechamento do STF, a implementação do AI-5 (Ato Institucional Número 5), de uma ditadura militar […] estamos oficialmente em um regime fascista e quem se cala perante o fascismo, é fascista”, afirmou no vídeo, que você pode ver abaixo:f

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Após demissão, ele tirou o black power para procurar emprego: ‘tenho medo de ser rejeitado’