Ciência

Médico da USP diz que coronavírus pode ser ‘ensaio’ para pandemia mais grave: ‘Matar bilhões’

por: Yuri Ferreira

Antes da pandemia de coronavírus, já se previa uma uma epidemia de escala global que afetaria o mundo. As autoridades não levaram a sério na época – e muitas não estão levando até agora – e estamos sofrendo os efeitos da falta de investimento em pesquisa. Mas, segundo alguns especialistas, a crise do coronavírus pode ser apenas o começo do problema. Em entrevista à BBC, o médico da USP e professor da FGV, Eduardo Massad, afirmou que talvez a ‘grande pandemia ainda esteja para chegar.

– Do coronavírus a gripe espanhola: as maiores pandemias da humanidade

Professor emérito da USP e titular da FGV, Massad acredita que uma nova pandemia esteja à caminho

Segundo o professor, a interação de grupos com baixo acesso à proteína – com o consumo de animais silvestres como ratos, morcegos e aves – , além dos grandes circuitos migratórios e cadeias de produção global, bem como as grandes aglomerações humanas são alguns dos fatores que contribuem para a ideia de que a pandemia de coronavírus é apenas o começo.

“A Grande Epidemia seria uma pandemia de proporções catastróficas que poderia matar algo como 2 bilhões de pessoas no mundo em um ano. Ela causaria uma queda significativa na expectativa de vida da humanidade: da média atual de 72 anos para aproximadamente 58 anos. Essa possibilidade existe e se baseia, em parte, em eventos históricos como a peste bubônica”, afirmou o professor à BBC.

– Internação por doença respiratória aumenta e OMS diz que ‘vírus estará conosco por muito tempo’

O professor adiciona que ela poderia ter similaridade ao coronavírus no que se refere ao surgimento: provavelmente de origem zoonose – ou seja, vinda de animais. Entretanto, precisaria ter a mesma ou maior transmissibilidade e um nível de mortalidade ainda maior. Ele cita a preocupação que o mundo tem com a H5N1, a Gripe Aviária, que tem uma grande capacidade de transmissão mas (ainda) não migrou para seres humanos.

Tendo como referência a Peste Bubônica, que aconteceu no século 14 e dizimou, segundo estimativas, até 60% da população europeia, Hassad prevê que uma grande epidemia ainda poderia acontecer. A sua visão é corroborada pelo epidemiologista Ian Lipkin, professor da Universidade de Columbia, que também acredita que logo após o coronavírus, podemos enfrentar outra pandemia.

“Acredito que estejamos vendo essas crises de saúde mais frequentemente por fatores como aquecimento global, migração populacional, comércio internacional e turismo ainda maior. Esses fenômenos contribuem para a rapidez para as quais as epidemias estão aparecendo. Desde a Gripe Espanhola, vimos o HIV, a febre de Nipah, a Chicungunha, SARS, MERS. Eu acompanhei ao menos 15 pandemias em potencial”, disse ele.

A Organização Mundial da Saúde avisou, em 2018, o potencial surgimento da ‘doença X’, que origem similar e efeitos parecidos ao novo coronavírus. A OMS recomendou que pesquisas para vacinas mais amplas e medidas de controle de pandemias mais eficazes nos países. A trágica previsão estava correta. Desde o início do século, a organização também tem recomendado especial atenção e pesquisa quanto à Gripe Aviária, que pode ser uma ‘Nova Espanhola’.

Hassad acredita que o coronavírus irá dar lições sobre a importância do distanciamento social. Mas reitera que não vê uma transição simples com a covid-19. “Minhas preocupações de médio e longo prazo dizem respeito aos efeitos econômicos das medidas de distanciamento e dos impactos sobre a saúde mental das populações atingidas por elas. À ansiedade pelo medo da doença somam-se os efeitos de uma quarentena prolongada por várias semanas enfrentada por um número enorme de pessoas ao redor do mundo”, afirmou.

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Youtube


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Aluna da USP cria lista de autores pretos e marxistas e viraliza