Ciência

USP avisa que sem isolamento social número de mortos por coronavírus pode dobrar em 20 dias

por: Redação Hypeness

Apenas setenta e quatro dias depois da confirmação do primeiro caso de coronavírus no Brasil, o país chegou, neste domingo, a contar mais de 10 mil mortos pela doença. Em média, são 185 mortes por dia desde que o primeiro óbito foi registrado no país, em 17 de março. Com base nos dados diários, simulações feitas por um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), apontam que o número de mortes poderá dobrar nos próximos 20 dias. Já a quantidade de infectados pode alcançar cerca de 400 mil até o dia 5 de junho, caso não sejam tomadas medidas drásticas de contenção da transmissão do vírus, uma vez que a quarentena voluntária não está sendo acatada pela maioria.

O cálculo da estimativa é do estatístico Carlos Alberto Bragança Pereira, especialista na área de aplicações médicas e biológicas, do grupo da USP, que também inclui professores da Faculdade de Economia e Administração (FEA) e da Faculdade de Saúde Pública. Coordenados pelo diretor do Instituto de Matemática e Estatística da USP. 

– William Bonner dá bronca no ‘JN’ em quem ainda não entendeu gravidade da pandemia

O grupo se debruça sobre os números da pandemia na tentativa de identificar quando o país atingirá o pico de infecções, a partir do qual as curvas de casos e óbitos entrarão em declínio, sinalizando para um possível afrouxamento das regras de isolamento social.

A USP está usando um modelos estatístico com base nos dados de coronavírus na China, país onde a pandemia começou e que, atualmente, começa a retomar a normalidade. Os resultados confirmaram o que tem ocorrido no Brasil: o comportamento da Covid-19 varia em cada estado. 

– SP vive quarentena com festa e carros de luxo; especialistas dizem que bloqueio total é inevitável

Segundo a estimativa de Pereira, no Rio o pico da doença pode acontecer em data tão distante quanto em meados de agosto, com cerca de 100 mil contaminações. Até o início de junho, as mortes na cidade, de acordo com o cálculo, podem somar entre 3 mil e 5 mil.

Mutirão de limpeza em Paraisópolis (SP)

Já em São Paulo, atual epicentro da Covid-19 no país, o pico deve ocorrer no fim deste mês, com o número de casos variando entre 135 mil e 160 mil. As mortes podem chegar a cerca de 6 mil em vinte dias. Até esta sexta, o Estado registrava 3.416 mortes.

– Jovens são os mais infectados por coronavírus no Brasil; veja números

O avanço da doença no país aumentou o debate em torno da necessidade de um isolamento social mais rígido, o lockdown. Pelo menos três estados já adotaram a medida na região metropolitana das capitais (Ceará, Maranhão e Pará) e Rio e São Paulo não descartam a medida.

O grupo de pesquisadores da USP está em negociação com o governo de São Paulo para abrir um novo flanco de análise de dados do estado para que o cruzamento de dados de saúde e de mobilidade com indicadores econômicos possa ajudar a administração do estado e à prefeitura da capital a saber onde e como alocar recursos para o período posterior à pandemia, além de poder decidir com mais segurança onde afrouxar primeiro as regras de isolamento social.

– Brasil importa testes de coronavírus de ‘terceira divisão’ e com alto índice de falha, diz site

A ideia é mostrar quais os municípios paulistas e quais distritos da capital precisam concentrar os investimentos em suporte de saúde e de recuperação econômica.

Isso poderá ser feito com dados econômicos, a serem extraídos das notas fiscais eletrônicas, que poderão indicar quais municípios e distritos tiveram atividades econômicas mais impactadas e quais são elas, por região geográfica.

Publicidade

Foto: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Corações de cães disparam quando donos apenas dizem que os amam, aponta estudo