Debate

A omissão do número de mortos por coronavírus ataca famílias e a liberdade democrática

por: Yuri Ferreira

Após a última sexta-feira (6), o Governo Federal decidiu omitir o número total de mortos por coronavírus. A afronta da Presidência da República contra a liberdade de expressão e informação é um evento sem comparações na política Ocidental. Em uma tentativa torpe de limitar a população de se informar quanto ao estado da pandemia no nosso país, a equipe de Jair Bolsonaro ataca famílias, invisibiliza as vítimas, ofende as instituições brasileiras e dá mais um sinal de que seu governo não tem apreço pela verdade e pela realidade.

Brasil soma mais de 37 mil mortos pelo novo coronavírus; Presidência da República quer maquiar os dados da pandemia

Na semana passada, o governo decidiu atrasar a divulgação do número diário de óbitos para 22h, impedindo que o ‘Jornal Nacional’, telejornal com maior audiência do país, pudesse informar aos brasileiros quantas vidas haviam sido perdidas pelo novo coronavírus. O próprio presidente comemorou “Acabou matéria no JN”, disse, em suas coletivas no Planalto. A Globo decidiu entrar com um plantão extraordinário quando os números fossem divulgados. Posteriormente, Bolsonaro ordenou que o Ministério da Saúde retirasse o número total de mortes do portal de coronavírus da pasta.

– Wanderson Oliveira, ex-Ministério da Saúde, diz que Sudeste terá pico de coronavírus em 1 mês

Sem números oficiais, o Brasil saiu da lista de países com mais óbitos pela covid-19 no mundo. A estratégia é inédita na democracia. A imprensa não mediu esforços e milhares de pessoas que prezam pela verdade resolveram iniciar a coleta de dados com as secretarias estaduais e municipais para conseguir os números precisos. Um consórcio entre G1, O Globo, Extra, Estadão, Folha e UOL está tratando de fazer o trabalho que o Ministério da Saúde não faz.

Citemos aqui a jornalista Miriam Leitão, em sua coluna do Globo, ‘O crime da desinformação’, publicada hoje:

Democracia busca sempre maior transparência. Ditaduras escondem informações, brigam com os números, quebram termômetros, ameaçam quem informa, mudam metodologias para ver se conseguem fazer os dados corresponderem à versão que lhes convém. Numa pandemia, a falta de informação desorienta pessoas e administradores públicos.

Se o projeto ‘Inumeráveis’, que divulgamos aqui no Hypeness, se preocupou com o  risco das vítimas do novo coronavírus se tornassem apenas números, vimos claramente o Governo Federal tentando fazer que nem a números os morots fossem reduzidos. Para eles, a pandemia é inexistente, está tudo bem, não há problemas. Não há um brasileiro morrendo por minuto, não. “É só uma gripezinha”. Como se já não bastasse a vacância no Ministério da Saúde que já dura 24 dias durante uma pandemia.

Jair Bolsonaro não nomeou um chefe para a pasta mais importante do Governo Federal durante uma epidemia; o Ministério da Saúde.

A ordem para a redução dos números nada positivos partiu da ala militar do governo. Não é coincidência. Foram os militares que ocultaram a epidemia de meningite que acometeu todo o Brasil durante os anos 1970. Os números ainda imprecisos variam entre 1,6 e 2,5 mil mortos pela doença que tinha alta letalidade e afetava, em sua maioria, crianças. À época, o jornalista Clóvis de Barros, do Estadão, publicou o artigo ‘A epidemia do silêncio’, uma clara crítica ao silêncio do Governo sobre a doença.

 Bolsonaro diz que trabalho infantil ‘não atrapalha a vida de ninguém’

 “As autoridades cuidaram de ocultar fatos, negar informações, reduzir os números referentes à doença a proporções incompatíveis com a realidade — ou seja, levando, deliberadamente, a desinformação à população e abrindo caminho para que boatos ocupassem rapidamente o lugar que deveria ser preenchido per fatos. Fatos que as autoridades tinham a obrigação, por todos os títulos de esclarecer ampla e totalmente.”

Hoje, chegaremos a casa das 38 mil mortes de coronavírus no Brasil. Não vivemos uma situação normal. Não está tudo bem. Com a reabertura dos comércios, não será possível esconder. O Brasil pode perder mais de 1 milhão de pessoas durante a pandemia.

– 4 dados dolorosos sobre a fome no Brasil que Bolsonaro finge não existir

O Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, outorgou um pedido feito pela Rede Sustentabilidade, PCdoB e PSOL, que ordena o Governo Federal à publicar os dados totais de mortes pelo novo coronavírus. Resta saber se o Poder Executivo vai atender a ordem do STF.

Alexandre de Moraes acatou pedido de partidos para que Governo revelasse os dados reais sobre a pandemia

Segundo a Human Rights Watch, o Brasil se equivale a outras ditaduras após a medida de ocultação dos dados; Arábia Saudita, Turcomenistão, Coreia do Norte e Venezuela são outros países na lista da ONG que estão ocultando os dados reais da doença de seus cidadãos. Mas está tudo bem. É tudo intriga da oposição.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália