Arte

As ilustrações macabras de Harry Clarke são o prelúdio da Art Nouveau

Gabriela Glette - 07/06/2020 | Atualizada em - 08/06/2020

Estilo característico predominante até a década de 1920, muito se fala sobre a Art Nouveau (do francês, arte nova), na arquitetura. No entanto, este estilo único revolucionou as artes plásticas e esteve presente desde em letreiros de metrô de capitais européias à ilustrações de livros, como alguns clássicos de Oscar Wilde. Mestre da Art Nouveau quando ela ainda nem tinha um nome, o irlandês Harry Clarke criou uma infinidade de ilustrações e vitrais de monumentos e igrejas. Por vezes um tanto macabras, especialistas garantem: elas são o prelúdio desta forma de arte tão apreciada até hoje.

ilustrações art nouveau Harry Clarke 1

Inspirado nos contos de bruxaria do século 19, o artista criou um espaço único para o simbolismo pagão e celta, criando um resultado hipnótico: uma obra que trouxe nova vida ao mundo do folclore moderno e antigo. Com desenhos quase obsessivos em detalhes e repletos de curvas abstratas e figuras mergulhando dentro e fora do escuro, sua arte é, no mínimo, envolvente. Vale dizer que ele também bebia do psicodelismo, mesmo antes dele existir. Verdadeiro visionário.

ilustrações art nouveau Harry Clarke 2

Esta mistura de contos de fadas, bruxaria, psicodelismo hippie e Art Nouveau é responsável por criar uma arte única e rebelde. Como contador de histórias natural e poeta, Clarke literalmente deixou seus pincéis falarem mais alto estudando arte e vitrais, já que era exatamente este o comércio da família. Já conhecido no universo da arte, ele se mudou para Londres logo após o movimento simbolista, abrindo caminho para a fixação de Art Nouveau no mundo.

ilustrações art nouveau Harry Clarke 3

Suas ilustrações estamparam capas de livros clássicos de Edgar Allan Poe, Charles Baudelaire, Paul Verlaine, Gustave Moreau, Claude Debussy e Oscar Wilde. Parte do motivo pelo qual o trabalho de Clarke foi tão respeitado, tem explicação no fato de que ele floresceu ao mesm tempo da idade de ouro dos “livros de coleção”, livros de poesia e contos de fadas ilustrados, que costumavam ser itens indispensáveis em qualquer biblioteca chique.

Publicidade

Fotos: Harry Clark / messynessychic


Gabriela Glette
Uma jornalista e produtora de conteúdo que mora na França. Apaixonada por viagens e inquieta por natureza, ela encontrou no nomadismo digital o segredo de sua felicidade, e transforma a saudade que sente da família e amigos em combustível para escrever suas histórias. Gabriela também é fundadora do site Quokka Mag, onde fala apenas sobre coisas boas!

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.


Warning: file_put_contents(/var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/cache/twitter-stream-hypeness.txt): failed to open stream: Permission denied in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/functions/social.php on line 410


X
Próxima notícia Hypeness:
Aziza: uma editora que só publica autores negros criada por quem entende do mercado