Inspiração

Ativismo de estrela do Manchester United faz premiê britânico rever lei sobre merenda escolar gratuita

por: Vitor Paiva

Um dos mais talentosos jovens jogadores de futebol ingleses, o atacante Marcus Rashford, do Manchester United, pode ser implacável na disputa contra um time adversário – e mais ainda em uma luta muito mais importante: contra o fome. Desde o início da pandemia que Rashford vem usando sua fama e seu poder de influência para ajudar os mais necessitados em momento tão difícil. E após levantar milhões de libras em doações para alimentar quem tem fome e lançar um concurso de poesia para crianças surdas, uma campanha realizada pelo jogador fez com que o governo britânico criasse um “fundo escolar” para alimentar crianças carentes no país.

© AFP

A campanha mais recente começou com uma emocionante carta, publicada por Rashford na última segunda-feira, na qual ele relembra as dificuldades de sua infância para demonstrar preocupação com o corte do vale-alimentação para famílias mais pobres no Reino Unido, plano de alimentação para as férias escolares recentemente descontinuado em plena pandemia pelo governo do primeiro-ministro Boris Johnson.

“O sistema não foi construído para famílias como a minha terem sucesso, não importa o quanto minha mãe tenha trabalhado. Isso não é sobre política. Isso é sobre humanidade”, escreveu o atacante. “Olhando a nós mesmos no espelho e sentindo que fizemos tudo o que pudemos para proteger aqueles que não podem, por qualquer razão ou circunstância, se protegerem. Afiliações políticas à parte, não podemos todos concordar que nenhuma criança deveria ir dormir com fome?”, diz.

Ilustração representando Marcus Rashford © divulgação

“O governo adotou uma abordagem do que for necessário para a economia – hoje estou pedindo a vocês que estendam esse mesmo pensamento para proteger todas as crianças vulneráveis em toda a Inglaterra”, segue a carta. A campanha iniciada por Rashford rapidamente mobilizou toda a internet no Reino Unido, obrigando o governo a não só rever suas políticas como criar um fundo especial: serão 15 libras por semana por pessoa em um total de 120 milhões de libras destinadas ao programa pelo governo inglês. “O Primeiro Ministro congratula-se com sua contribuição ao debate sobre a pobreza e respeita o fato de ele estar usando seu perfil como um esportista de destaque para destacar questões importantes”, afirmou o porta-voz oficial do governo Boris Johnson.

O primeiro-ministro Boris Johnson © Getty Images

Além de ser aplaudido pelo próprio governo, o jogador foi também celebrado por seus companheiros de clube e de esporte, e publicou em seu Twitter uma resposta simples porém inspiradora. “Eu nem sei o que dizer. Basta olhar para o que podemos fazer quando nos unimos”, escreveu Rashford. “Isso é a Inglaterra em 2020”, concluiu.

© AFP

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Ele é o ‘gato de botas do Shrek’ da vida real e consegue o que quer com sua ‘atuação’