Debate

Cientistas encontram evidências inéditas sobre o uso de maconha em rituais judaicos

por: Yuri Ferreira

Arqueólogos e historiadores descobriram a presença de cannabis em um antigo templo de rituais judaicos. A descoberta da substância no sítio arqueológico de Tel Arad levantou novos debates sobre o uso religioso da maconha e as citações da cannabis em textos da religião judaica. Segundo os cientistas, o registro encontrado em bom estado continha, inclusive, THC. Do lado de um incenso.

O santuário de Tel Arad era um reprodução em pequena escala do Primeiro Templo. As pesquisas arqueológicas na região, que fica ao Sul de Tel Aviv e Jerusalém, servem como uma elucidação às práticas religiosas do povo judeu.

– Livro fala sobre o uso do haxixe e outros psicoativos na origem do Islamismo

Foram encontrados dois altares enterrados sob o calvário. Em cada altar haviam cinzas queimadas. Em um altar, o produto encontrado foi o incenso queimado, mais precisamente o olíbano, uma das substâncias mais caras da Idade Antiga. Na outra, foi encontrada além dos restos de um inseto, cinzas de maconha queimada. Segundo o estudo publicado no Tel Aviv Journal, como eram raras as plantações da cannabis na região do Sinai, seria mais provável que o produto tivesse sido importado da China ou da Rússia.

– Igreja da maconha será inaugurada nos EUA ainda em abril

Cinzas de canabbis encontradas em altar no templo de Tel Arad

“Tendo em vista a raridade da cannabis na região, acreditamos que as flores de maconha femininas – que contém o THC – foram importadas de origens distantes e transportadas como resina seca, popularmente conhecida como haxixe“, afirmam os pesquisadores

O estudo ainda indicou que o uso em um templo deveria ser para fins religiosos. “Parece razoável sugerir que o uso de cannabis no altar de Arad tinha um fim psicoativo”.

– [Vídeo] O que podemos aprender com o padre, o rabino e o homossexual ateu que fumaram maconha juntos

A presença da cannabis na cultura judaica é um debate que tem sido alimentado desde o século passado. Já no Mishna, primeira parte do Talmud, um dos textos religiosos do judaísmo, existe uma referência a “cannabus”, que se acredita ser a origem etimológica da Cannabis ou uma derivação do termo grego para a planta.

Uma antropóloga polonesa chamada Sula Benet propôs nos anos 60 que o termo ‘Kaneh-bosem’, nome de um componente de um óleo sagrado do judaísmo citado na Bíblia, era a maconha. Segundo a antropóloga ‘kanehbosem’ era uma palavra derivada de ‘cannabis’ que acabou sendo traduzida de maneira errada.

 

Publicidade

Fotos: Destaques: © Getty Images Foto 1:   The Israel Museum, by Laura Lachman


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Sikêra Jr. tem preconceito exposto por ‘Ex-BBB’ Ariadna após dizer que trans não se aceitam