Futuro

Com coronavírus controlado, Islândia parece universo paralelo em ‘novo normal’

por: Vitor Paiva

Apesar de se tratar de um pequeno país com pouco mais de 360 mil habitantes, a Islândia tornou-se uma espécie de nação modelo, e se afirma como uma das vanguardas do progresso do mundo: foi a primeira nação a eleger democraticamente uma mulher como presidente, a primeira nação a ter um governo igualitário no número de homens e mulheres, também foi o primeiro país a ter uma primeira-ministra abertamente homossexual, e também o primeiro país a deixar de ter um McDonald’s sequer funcionando por lá. Agora, diante da crise global do coronavírus, a Islândia segue apontando para o futuro: sem nenhum caso novo de Covid-19 registrado por lá, a vida na Islândia parecer tão normal quanto era antes da pandemia.

Reykjavík, capital da Islândia © Wikimedia Commons

Não se trata, porém, de um milagre, mas sim de um imenso esforço governamental: em fevereiro, quando o novo coronavírus chegou no país, a Islândia apresentava uma das maiores medias de contaminação de toda a Europa. Entre março e abril o país entrou em quarentena, e passou a realizar testes incessantemente, e a traçar e mapear o vírus entre sua população – e não só: quem chegava no país era imediatamente testado e, caso o resultado fosse positivo, o passageiro era imediatamente posto em quarentena de 14 dias.

Guðni Th. Jóhannesson, presidente da Islândia, testando para o novo coronavírus © divulgação

No dia 15 de junho a quarentena acabou: ainda que atualmente a vida na capital Reykjavík e em outras cidades do país esteja correndo como se a pandemia jamais tivesse acontecido, o protocolo para quem chega ao país segue o rigor supracitado: testes e eventual isolamento, a fim de manter o vírus longe do território e da população islandesa.

Restaures e ruas da Islândia cheias na semana passada © CNN

Dessa forma, ainda que o turismo siga naturalmente desaquecidos, os restaurantes já estão cheios, os parques recebendo visitantes, a vida parece normal na Islândia. O país registrou 1,823 casos do novo coronavírus até o dia 20 de junho, com somente 10 mortes e 1,805 pacientes já devidamente recuperados – todos, porém, estão mapeados, controlados e sob tratamento. Trata-se de modelo exemplar, que enfrentou a pandemia com ciência, isolamento e rigor, testando a população, traçando o vírus e cuidando de sua população. O exato oposto do quem vendo tragicamente feito no Brasil – e, como não poderia deixar de ser, os resultados também são tragicamente opostos.

Pessoas de máscara pelas ruas da capital islandesa © Getty Images

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
‘Wakanda’ de Akon será cidade na África e terá energia 100% renovável