Debate

Coronavírus: no dia que Brasil bate novo recorde de mortos, parlamentares invadem hospital de campanha

por: Redação Hypeness

A invasão de um grupo de deputados e assessores ao hospital de campanha do Anhembi, montado de forma emergencial pela prefeitura de São Paulo para atender às infectados pelo novo coronavírus, provocou tumulto na última quinta-feira (4). 

De acordo com a Prefeitura, os políticos entraram no hospital e filmaram pacientes e profissionais sem autorização. O secretário municipal da Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, afirmou que a gestão de Bruno Covas (PSDB) vai registrar amanhã queixa-crime contra o grupo de políticos, composto pelos deputados estaduais Coronel Telhada (PP), Letícia Aguiar (PSL), Adriana Borgo (PROS), Marcio Nakashima (PDT) e Sargento Neri (Avante). 

– OMS coloca América do Sul como epicentro do coronavírus e Trump veta voos do Brasil

A ação foi filmada e publicada pelos próprios parlamentares em suas redes sociais. Em nota, os deputados negam a acusação e afirmam que tinha autorização da Iabas (Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde), que administra o hospital, para entrar no local. Além disso, afirmam também que o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, sabia que eles entrariam.

– Fiocruz diz que coronavírus chegou ao Brasil antes do Carnaval; Rio teve 1ª morte

No vídeo publicado em rede social, o deputado Coronel Telhada diz que não há colchões nas camas e alas vazias, que estão sendo mantidas com dinheiro público. “Não precisa falar nada, as imagens já mostram. Infelizmente, tudo vazio”, afirma o parlamentar, em dado momento do vídeo.

“Quantos milhões estão sendo gastos aqui do seu dinheiro, gente?”, questiona a deputada Adriana Borgo no vídeo publicado em seu Facebook, enquanto filma uma ala vazia da unidade. “Vou até tirar a máscara porque não tem ninguém doente aqui, tudo mentira”.

– Coronavírus: mortes em casa sobem até 150% e revelam cenário caótico da pandemia

Segundo o boletim divulgado hoje pela Prefeitura, há 804 pacientes sendo atendidos pelo Hospital de Campanha do Anhembi e outros 55 aguardam transferência para o local, que tem capacidade para receber 1.800 pacientes. Até agora, 82 pessoas tiveram alta e 8 foram transferidas para outras unidades de saúde.

– Coronavírus: 1 dia sem distanciamento social causa 2,4 dias de surto da covid-19

“A Prefeitura de São Paulo mantém transparência pública, tanto o é que vários veículos de imprensa nacional e de outros países já visitaram as instalações, respeitaram as regras sanitárias para garantir a própria saúde, dos pacientes e dos profissionais, bem como parlamentares que respeitaram as regras vigentes também já foram atendidos”, defendeu-se a gestão de Covas.

Em meio a disputas de interesses políticos, o Brasil alcança a média de uma morte por covid-19 a cada minuto. A OMS (Organização Mundial da Saúde) já colocou a América do Sul como o novo epicentro da pandemia do coronavírus e fez um apelo aos governos da região: “encontrem o vírus”.

– SP vive quarentena com festa e carros de luxo; especialistas dizem que bloqueio total é inevitável

Entrevistada para a coluna de Jamil Chade, na UOL, Margaret Harris, porta-voz da entidade, declarou nesta manhã em Genebra que a situação no Brasil e na região é “profundamente, profundamente preocupante”. Os dados sustentam essa preocupação: o Brasil é hoje o terceiro país com maior número de mortes e segundo em termos de casos. Considerando apenas os últimos sete dias, o Brasil lidera no mundo, segundo os dados da própria OMS.

A agência de Saúde confirma que os “principais motores do mundo são os países da América do Sul, Central e do Norte, em especial os EUA”. A OMS, porém, alerta que só haverá um controle da doença se governos conseguirem saber onde está o vírus. Para isso, porém, testes serão necessários. No caso brasileiro, o número de testes é considerado como baixo. Outra recomendação da entidade é para que governos estabeleçam “parcerias com suas sociedades”. “Os países que tiveram êxito foram aqueles que estipularam parcerias com a população”, indicou Harris.

– Atila Iamarino critica reabertura do Brasil em meio ao caos do coronavírus: ‘Não fez lição de casa’

Questionada pela coluna se esse seria o momento para reabrir a economia e promover um relaxamento da quarentena no Brasil, a porta-voz da OMS optou por não responder diretamente. Mas indicou que existem seis critérios para que um governo considere deixar medidas de distanciamento social. Um deles: garantir que a abertura apenas ocorra quando se saiba que existe uma queda no número de transmissão.

Outro critério é o de saber onde a transmissão está ocorrendo. Para isso, todo o modelo de testar, monitorar, rastrear contatos e isolamento precisa estar funcionando. Além disso, escolas e locais de trabalho precisam estar preparados.

Publicidade

Fotos: Reprodução / Facebook


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Warning: array_map(): Expected parameter 2 to be an array, bool given in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/publicidade/taboola.php on line 2

Warning: array_intersect(): Expected parameter 2 to be an array, null given in /var/www/html/wordpress/wp-content/themes/hypeness-new/part/publicidade/taboola.php on line 11

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Senador Irajá Silvestre, filho de Kátia Abreu, é acusado de estupro por modelo; ele nega