Ciência

Dados e estatísticas coronavírus: 5 sites te ajudam a se manter informado após o ‘apagão’

Karol Gomes - 08/06/2020 | Atualizada em - 03/07/2020

Desde sexta-feira (5), o Ministério da Saúde tem adotado a manobra de esconder os dados totais de casos e óbitos decorrentes da pandemia do novo coronavírus no Brasil. A pasta chegou a cogitar recontar as mortes por covid-19, alegando óbitos a mais por outras doenças. 

Na avaliação da cúpula da pasta, Estados e municípios estariam manipulando informações para se beneficiar de recursos federais. Já cientistas brasileiros afirmam o oposto: o número de vítimas é muito maior e essa mudança de discurso, aliada à alteração na metodologia de divulgação e na omissão de dados, seria manobra para se criar a falsa sensação de que a doença já estaria sob controle.

– Fiocruz diz que coronavírus chegou ao Brasil antes do Carnaval; Rio teve 1ª morte

Muitos especulam ainda que a decisão do Ministério visa diminuir notícias negativas sobre o governo Bolsonaro na mídia. Depois de retirar do ar por um dia o site que mantinha sobre a covid-19, o ministério atualizou a página só com informações básicas de recuperados, casos e óbitos em 24 horas. Os arquivos digitais que traziam detalhes de todo o histórico no País também foram apagados e não há informações a respeito.

Governo está omitindo dados de coronavírus no Brasil

– Jovens são os mais infectados por coronavírus no Brasil; veja números

Após críticas de organizações e profissionais de saúde, além de políticos apontando a falta de transparência por parte do governo, parece que a pasta voltou a atualizar os dados diariamente. A Academia Brasileira de Ciências (ABC) e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) publicaram uma nota conjunto criticando a ocultação dos dados da doença. 

Segundo as associações científicas, a atitude do governo em não revelar os dados da pandemia permite a manipulação das informações sobre a evolução da doença no Brasil.

– Brasil importa testes de coronavírus de ‘terceira divisão’ e com alto índice de falha, diz site

Tem sido difícil confiar nas informações de sites oficiais do governo com tantas críticas e estabilidade. Pensando nisso, listamos sites que são fontes sobre a pandemia no Brasil por se comprometerem com a verdade. Todos têm atualizado os números diariamente. Confira: 

Brasil.IO: o projeto sem fins lucrativos funciona como um painel próprio que mostra os números do coronavírus no país. A ação contra com 40 voluntários responsáveis pela coleta e a atualização de dados. Há ainda links para boletins epidemiológicos das Secretarias Estaduais de Saúde (SES). 

– Coronavírus e pneumonia silenciosa: pacientes sentem-se bem já quase sem oxigênio no sangue

Conass: É o site do Conselho Nacional de Secretários de Saúde que reúne, diariamente os relatórios das secretarias de todos os estados e os divulga no momento da finalização da contagem, ao contrário das fontes do governo, que têm preferido lançar os dados depois das 22h para escapar dos noticiários do horário nobre na televisão aberta. 

Brasil já teve quase 40 mil mortos pelas covid-19

Portal da Transparência: É uma iniciativa dos Cartórios de Registro Civil do Brasil,  com atualização permanente do número de registros de óbitos em meio a pandemia. Além disso, reforça a importância do cumprimento da Lei da Transparência – Portaria nº 57/20, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

– OMS coloca América do Sul como epicentro do coronavírus e Trump veta voos do Brasil

Covid19br: O site tem um mapa ilustrado com as regiões mais afetadas pela covid-19 no Brasil, além de permitir a consulta de gráficos por estado ou município. Também demonstra todas as “categorias” de dados: diagnósticos recentes, total de diagnósticos, total de óbitos e total de recuperados. 

CoronavirusBrBot: Um grupo no Telegram que atualiza e envia dados em tempo real, de acordo com atualizações das secretarias dos estados brasileiros. 

Publicidade

Fotos: Getty Images


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.