Debate

Estrela da Marvel fala sobre racismo da polícia e diz que já teve arma apontada na cabeça

por: Karol Gomes

Nem os super heróis estão livres de racismo. Em entrevista recente ao programa “The Tonight Show”, com Jimmy Fallon, Don Cheadle, o ator que interpreta o Máquina de Combate no universo cinematográfico da Marvel, contou que já foi parado por policiais inúmeras vezes e já teve armas apontadas para sua cabeça.

– ‘Capitã Marvel’ bate bilheteria de ‘Cavaleiro das Trevas’ e mostra poder do protagonismo feminino

“Eu sempre ‘encaixo na descrição’. Isso é algo que está acontecendo repetidamente. Tenho amigos que quase foram mortos pela polícia por nada. Isso não é algo que estava me cutucando quando todos esses vídeos começaram a sair. São coisas que sabíamos muito bem”, contou Cheadle.

– Marvel libera 1º trailer e mostra personagens de ‘Viúva Negra’

O racismo foi abordado na conversa quando Jimmy Fallon perguntou sobre as manifestações que tomam os Estados Unidos e o mundo, motivadas pela morte de George Floyd, assassinado pela polícia de Minneapolis enquanto era imobilizado com um joelho sobre o pescoço.

– Barbie cria coleção X-Men para comemorar 80 anos da Marvel

Então, o ator lembrou suas experiências e contou como foi sua infância. “Muito do bullying começou na escola, com certeza motivado por questões raciais”, disse. “Também foi quando começou a ficar evidente que os policiais não estavam no meu time”, completou.

Publicidade

Foto: Getty Images


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Bailarina Ingrid Silva faz a pergunta que não quer calar: por que o brasileiro não se considera latino?