Debate

Jane Elliott é exemplo de como uma pessoa branca deve lutar contra o racismo

por: Redação Hypeness

A onda de protestos causada pelo assassinato de George Floyd em Minnesota, nos Estados Unidos, pelas mãos de um policial branco, tem incentivado um debate importante: como pessoas brancas podem colaborar para a luta antirracista? 

Após a divulgação de um vídeo em que mostra o assassino ajoelhado sobre a vítima, impedindo que ele respirasse até sua morte, ativistas brancos têm tomado a frente das manifestações, usando seus privilégios de raça para proteger corpos negros que vão às ruas de ainda mais violência policial. 

– Cacau Protásio chora ao falar no ‘Fantástico’ sobre racismo sofrido durante gravação

As atitudes de artistas brancos, como Katy Perry e Harry Styles também têm sido destacadas como importantes para a luta do coletivo. Eles criaram um fundo para pagar as fianças de manifestantes negros que estão sendo detidos pela polícia nos Estados Unidos. 

– Jogadores se manifestam sobre genocídio negro e silêncio de Neymar é criticado

Já nas redes sociais, influenciadores digitais estão usando a hashtag #BlackOutTuesday junto de imagens pretas, indicando que estão silenciando seus próprios conteúdos para dar espaço a indicações de criadores negros.  

Muitas dessas atitudes partem de um ponto importante: o reconhecimento dos privilégios de ser uma pessoa branca. Essa é a proposta da professora e ativista americana, que tem sido lembrada em meio aos debates atuais. 

– EUA: confronto e viaturas destruídas após policial branco matar homem negro com o joelho

Elliot é a responsável pelo documentário “Olhos Azuis”, onde apresenta seus workshops sobre racismo. O filme acompanha, especificamente, um desses workshops, realizado em meados de 1996, em Kansas City, nos EUA. Mas o conteúdo apresentado está mais atual do que nunca.

– Segurança que matou jovem negro no Extra foi condenado por agredir ex

Durante duas horas e meia, 30 pessoas, entre professores, policiais e assistentes sociais, são submetidos a um estranho experimento: os que têm olhos azuis são separados dos restantes e bombardeados por um tratamento discriminatório e ofensivo semelhante ao que a população negra e de outras etnias oprimidas sofrem cotidianamente no país.

– O discurso sobre racismo de Jesse Williams (Grey’s Anatomy) e sua sintonia com a realidade brasileira

As abordagens “na prática” de Elliot já gerou polêmicas, mas não deixou de cumprir seu propósito: causar incômodo a respeito da discriminação social provocada pelo racismo. Além disso, o principal objetivo da estudiosa é incentivar pessoas brancas a assumirem a responsabilidade da luta antirracista.

“Quero que as pessoas entendam a angustia da descriminação por causa de uma característica física da qual você simplesmente não tem controle sobre”, explicou a ativista em recente entrevista para, da versão online do programa “The Tonight Show”, de Jimmy Fallon, que foi ao ar na última segunda-feira (1). Ela foi convidada para refletir sobre como pessoas brancas podem colaborar para a atual luta antirracismo nos Estados Unidos.

– Jóia do Vasco fala de genocídio negro e pede posicionamento de colegas: ‘Não posso me alienar’

Durante a entrevista, ela mostrou um lado que raramente deixa aparecer: Elliot chorou ao lembrar de quando ouviu sobre a morte de Marthin Luther King Jr. Mas o mesmo momento também a incentivou a elaborar exercícios sobre racismo.

– Tia Má desabafa sobre jovem negro agredido por PM por causa do cabelo

“No dia seguinte, tive que entrar na minha sala de aula e explicar aos meus alunos porque Marthing Luther King estava morto e percebi que não havia uma maneira não dolorosa de explicar isso. Eu não sabia como fazer isso”, relembrou. Ela também fez uma revelação que chocou muito dos espectadores, dizendo que, se soubesse dos resultados iniciais da sua dinâmica de “olhos azuis”, não teria executado em sala de aula. “Eu perdi amigos, colegas de trabalho. Meus alunos eram criticados e violentados por terem participado”, contou, mas logo acrescentou que este tipo de represália faz parte da luta por um mundo melhor.

Confira na íntegra o documentário “Olhos Azuis”:

Publicidade

Foto: Reprodução / Olhos Azuis


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Procon notifica Enel por valores abusivos em contas de luz em meio à pandemia; busque seus direitos