Debate

Ludmilla é vítima de racismo mais uma vez e criminoso sugere chicotadas

por: Karol Gomes

Na tarde da última segunda-feira (15), Ludmilla publicou um vídeo no qual expõe os motivos de suas desavenças com Anitta. Entre outros motivos, ela citou o racismo na indústria da música, que sempre a impediu de se posicionar. E o que ela tem recebido em troca da atitude corajosa? Mais racismo. No Twitter, uma pessoa se referiu à artista como “neguinha nojenta” e disse que ela precisa “de umas belas chicotadas”.

Ludmilla não deixou o crime passar batido e rebateu o agressor. Diante da resposta, o criminoso excluiu o perfil na rede social. Mas o print da “conversa” foi publicado pelo perfil Bobeou Vazou, no Instagram.

– Ludmilla dá recado a racistas após ser chamada de ‘macaca’ em premiação

A “carta aberta” de Ludmilla, que contém áudios e conversas com Anitta, também recebeu apoio nas redes sociais. No vídeo, ela mostra os bastidores da relação das duas e a briga, que teria começado durante o Rock In Rio do ano passado, quando Ivete Sangalo cantou a música “Onda diferente” no palco. 

– Ludmilla revela quando se descobriu bissexual e lança pagodes para quarentena

Na ocasião, Ludmilla diz ter sido criticada por fãs de Anitta ao ter publicado uma mensagem no Twitter agradecendo pelo sucesso de sua composição. Naquele ponto, a música havia sido divulgada como tendo sido composta também por Anitta. 

– Capacitismo: este vídeo explica porque tratamos pessoas com deficiência da forma errada

No vídeo, a funkeira ainda se refere a Anitta como “mentirosa”, “manipuladora” e “ardilosa e fala sobre como, muitas vezes, foi aconselhada a ficar calada diante das atitudes da colega de profissão para não perder o lugar que ocupa como mulher negra no mercado da música. Após a publicação da carta, a cantora anunciou o lançamento de sua nova música, chamada Cobra Venenosa, para o dia 3 de julho.

Publicidade

Fotos: Reprodução / Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Humorista negro diz que mandou Carrefour ‘tomar no c* após e-mail com proposta publicitária