Debate

Vereador xinga enfermeiras em SP e especialistas esperam 25 mil mortes até julho com relaxamento de quarentena

por: Yuri Ferreira

O desafio do Brasil para conter o avanço incontrolável do novo cornavírus ganhou novos capítulos. Em Cubatão, cidade do litoral de São Paulo, o vereador Toninho Vieira (Progressistas) foi acusado de xingar e ameaçar enfermeiras que estavam trabalhando na linha de frente contra a covid-19. Em outra frente, com a reabertura promovida pelo Governo Estadual, especialistas projetam que mais 15 mil mortes irão acontecer no Estado mais populoso do país até julho.

Na cidade da Baixada Santista, o vereador Toninho Vieira foi denunciado por uma enfermeira por ameaça e injúria. A profissional de saúde conduzia uma carreata para fazer testes do novo coronavírus. Uma breve fila se formava para que os testes fossem feitos, e o parlamentar do município foi confrontar a responsável pelo serviço.

– Coronavírus: Brasil mira reabertura e OMS diz que pior momento da pandemia está por vir

A agressão aconteceu em um dessas carreatas

“No momento em que ele entrou e viu que tinha pacientes, começou a gritar que era um absurdo eles ficarem esperando ali dentro da carreta. Falei que ele estava gritando muito e pedi para que ele se retirasse. Nesse momento, ele começou a chamar as enfermeiras de lerdas e me chamou de incompetente. Começou a ofender, falando que estávamos demorando de propósito”, afirmou ao G1 a profissional de enfermagem, que chamou a Polícia e registrou um B.O contra o vereador, que disse não ter iniciado a confusão.

– Coronavírus: enfermeira desabafa após onda de hospitais invadidos no Brasil

A Prefeitura de Cubatão afirmou lamentar o proceder do Vereador e ofereceu suporte à enfermeira e seus familiares depois do ocorrido.

Aglomerações em São Paulo

Quem observou pelas janelas ou andou nas ruas de São Paulo nessa semana viu uma cidade que não se via há praticamente 3 meses. Com os comércios reabertos, milhares de pessoas saíram às ruas para fazer compras. Na quinta-feira (11), feriado de Corpus Christi, paulistanos se aglomeraram em filas para entrar em shoppings centers, que levantaram as portas pela primeira vez desde o fim de março.

A reabertura parcial promovida no chamado ‘Plano São Paulo’, do governador João Dória, já mostra sua face: os paulistanos voltaram a se aglomerar – como já se observava nos transportes públicos desde antes do início do projeto. A situação preocupa especialistas. Segundo uma projeção de um grupo de estudos conjunta da USP com a FGV, é esperado aumento de 71% nas infecções por covid-19 até o início de julho.

– Atila Iamarino critica reabertura do Brasil em meio ao caos do coronavírus: ‘Não fez lição de casa’

Na estação da Luz, transporte pública está superlotado desde antes da reabertura de Dória

Ainda segundo o estudo, são previstas 24.900 mortes até o início do mês devido ao avanço do novo coronavírus, facilitado pelo relaxamento da quarentena. São Paulo tem pouco mais de 10 mil mortes pela doença confirmadas até a tarde desta segunda-feira (15), cerca de um quarto de todos os óbitos do país, sendo o epicentro da covid-19 no Brasil.

“A gente está no epicentro da crise, o que torna impossível tomar medidas como a reabertura. A decisão foi precipitada e é um atestado de incapacidade de estabelecer medidas mais concretas e sérias, como o lockdown. Esse plano é equivocado, principalmente nas grandes metrópoles”, afirmou o infectologista Evaldo Stanislau Affonso ao Jornal Brasil Atual.

Publicidade

Fotos: Destaques e Foto 2: © Getty Images  Foto 1: Divulgação


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Desplante: Monica Benini celebra a retirada das próteses de silicone, ‘me reencontrei’