Sustentabilidade

Yanomami, que podem ter 40% de infectados pelo coronavírus, sofrem ataque ambiental impressionante

por: Karol Gomes

Análises de um estudo produzido pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pelo Instituto Socioambiental (ISA), classificam os índios yanomami como “o povo mais vulnerável à pandemia de toda a Amazônia brasileira”

Um dos principais fatores é a presença de cerca de 20 mil garimpeiros na Terra Indígena durante a pandemia do novo coronavírus. Além disso, a assistência de saúde no território é frágil e não alcança a todos. 

Terras Yanomami sofrem desmatamento impressionante

– OMS coloca América do Sul como epicentro do coronavírus e Trump veta voos do Brasil

A pesquisa estima que até 40% dos indígenas que moram perto das minas ilegais possam ser infectados com a doença. Nesse cenário, o grupo poderia perder até 6,5% dos seus integrantes, tornando-se uma das populações mais impactadas pela Covid-19 em todo o mundo. 

O estudo da UFMG e do ISA alerta ainda para as consequências que a disseminação da Covid-19 poderá ter entre idosos da etnia. “O desaparecimento repentino dos mais velhos, conhecidos como ‘bibliotecas vivas’, pode impactar na reprodução social dos yanomami e implica em consequências irreversíveis para a sobrevivência do patrimônio cultural do povo yanomami e ye’kwana”, diz o estudo.

– No Acre, índios proibem entrada de políticos candidatos em aldeias

Segundo a pesquisa, revisada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a etnia corre o risco de sofrer um “genocídio com a cumplicidade do Estado brasileiro” caso não se tomem medidas urgentes para expulsar os garimpeiros e melhorar a assistência médica às comunidades.

Com área equivalente à de Portugal, a Terra Indígena Yanomami abriga cerca de 27.398 membros dos povos yanomami e ye’kwana, espalhados por 331 aldeias. O território ocupa porções do Amazonas e de Roraima e se estende por boa parte da fronteira do Brasil com a Venezuela.

– Coronavírus: maioria dos brasileiros conhece alguém infectado pela covid-19

Rica em depósitos de ouro, a área é alvo de garimpeiros desde pelo menos a década de 1980 — atividade que não foi suspensa nem mesmo após a demarcação da terra indígena, em 1992. E os yanomamis são os primeiros a pedir pela expulsão dos garimpeiros. A campanha #ForaGarimpoForaCovid busca expulsar as mineradoras ilegais que estão invadindo as reservas indígenas e convoca pessoas para assinarem um abaixo-assinado

“A gente tá morrendo à míngua”

Um dos indicadores usados no cálculo mede a vulnerabilidade dos polos base (postos de saúde) das comunidades, considerando informações como a capacidade de transporte de doentes, a oferta de água encanada e a expectativa de vida ao nascer.

– Coronavírus: mortes em casa sobem até 150% e revelam cenário caótico da pandemia

Todos os 37 postos do território yanomami obtiveram a pior nota dentre os 172 estudados: 0,7. O índice vai de 0 a 1, sendo 1 a pior nota. No levantamento, foram considerados os 13,9 mil indígenas (50,7% da população do território yanomami) que vivem a até cinco quilômetros de áreas de garimpo.

A a vice-presidente da Federação Indígena do Povo Kokama, Milena Kokama, e o presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro, o cacique Marivelton Baré, denunciaram o descaso do governo brasileiro com povos indígenas durante uma participação no programa “Conversa com Bial”, da Rede Globo. 

– Coronavírus: 1 dia sem distanciamento social causa 2,4 dias de surto da covid-19

“A gente tá morrendo à míngua”, disse Milena ao falar sobre o primeiro caso de coronavírus em sua aldeia: uma jovem de 20 anos do povo Kokama em Santo Antônio do Içá, no Alto Solimões (AM). Milena conta que, desde então, foram cerca de 2 mil casos de contaminação, e 55 mortes. Ela se emocionou ao contar do falecimento de um dos principais líderes tradicionais, Guilherme Padilha Samias: “um dos primeiros professores da língua do meu povo”.

Segundo o cacique Marivelton conta que quando a doença chegou no território do Alto Solimões, já foi como uma epidemia comunitária. A única unidade hospitalar de São Miguel da Cachoeira, que dispõe apenas de sete respiradores, já tinha dificuldades em dar conta da demanda de pacientes antes mesmo da epidemia. A UTI mais próxima, em Manaus, fica a 870 km do município.

– Fiocruz diz que coronavírus chegou ao Brasil antes do Carnaval; Rio teve 1ª morte

Ele relata que as tribos se apoiam de maneira independente, mas que são as ajudas externas que fazem a diferença. Com as equipes de saúde próprias, apoio do exército e da Funai, montaram barreiras sanitárias para viabilizar o isolamento social.

Publicidade

Foto: Getty Images


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Carne de melancia parece ser última e controversa tendência em 2020