Diversidade

Carlos Decotelli diz que ‘brancos trabalham com imperfeições em currículo sem incomodar’

por: Redação Hypeness

Nomeado para o cargo de ministro da educação na semana passada, Carlos Alberto Decotelli pediu demissão na tarde de terça-feira (3), após revelações de que havia informações falsas em seu currículo. Em entrevista recente ao UOL, ele avaliou o seu período no cargo e disse que o racismo influenciou em seu processo de desgaste no governo Jair Bolsonaro (sem partido). “Há muitos brancos com imperfeições em currículo trabalhando sem incomodar ninguém”, afirmou.

– Carlos Decotelli: os erros do quase ministro negro que não podia errar

Nas redes sociais, o fato de Decotelli ser negro passou a ser foco de debates sobre a sua demissão. Entre outros pontos, as discussões lembraram que ministros do governo Bolsonaro como Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) também tiveram mentiras ou erros apontadas em seus currículos, mas permaneceram nos cargos.

– Silvio Almeida no ‘Roda Viva’: ‘Tem gente chorando por estátua, mas não é capaz de chorar quando morre um negro’

No caso de Decotelli, universidades da Argentina e da Alemanha desmentiram as informações de que ele teria concluído um doutorado e um pós-doutorado nas respectivas instituições. Também vieram à tona acusações de plágio na dissertação de mestrado apresentada pelo ex-ministro à FGV (Fundação Getulio Vargas).

– Erica Malunguinho apresenta projeto para a retirada de estátuas de escravocratas em SP

Para Decotelli, a declaração da FGV foi a mais prejudicial, por dizer que o ex-ministro nunca foi professor “de qualquer das escolas da Fundação”. Em nota, a instituição declarou que Decotelli atuou apenas “nos cursos de educação continuada, como professor colaborador, nos programas de formação de executivos”.

O ex-ministro argumentou que, apesar de não ter atuado como professor fixo, lecionou na instituição, mas na condição de professor colaborador. Para ele, a FGV atuou por “interesses obscuros, não declarados, na intenção de apoiar outro ministro a ser indicado” em sua declaração. 

– ‘Domingão do Faustão’: Emicida toca na ferida e fala sobre racismo, coronavírus e violência doméstica

Ele declarou ainda que pediu o seu desligamento da instituição. O ex-ministro também enviou à reportagem fotos de prêmios que diz ter recebido por suas atividades na FGV. Todos se referem a ele como “professor” e datam de 2011 a 2016.

Publicidade

Foto: Fotos Públicas


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.


X
Próxima notícia Hypeness:
‘Pretos que voam’: comissária quer bolsas para enegrecer aviação civil