Arte

Carolina Maria de Jesus terá obra publicada com supervisão da filha e de Conceição Evaristo

por: Vitor Paiva

Em 1960 o jornalista Audálio Dantas visitou a Favela do Canindé, em São Paulo, para uma reportagem, quando conheceu a catadora de papel Carolina Maria de Jesus – e, por esse incrível acaso do destino, também conheceu seus diários. Nascia assim uma das mais importantes autoras brasileiras em todos os tempos, e o livro Quarto de Despejo: Diário de uma favelada, reunindo justamente parte dos escritos que Carolina reuniu em cadernos por décadas. Com linguagem objetiva e rascante, lucidez e forte estilo documental, o livro se tornou um marco da escrita feminina, negra, da denúncia da pobreza e da qualidade da pena da autora.  Lançado em 1960 com tiragem inicial de dez mil exemplares, a primeira edição de Quarto de Despejo se esgotou em uma semana para se tornar um grande sucesso, já traduzido para mais de 14 idiomas – e na última semana a Companhia das Letras confirmou que irá republicar parte da obra de Carolina Maria de Jesus.

Carolina Maria na Favela do Canindé © reprodução

Nos últimos anos os livros de Carolina se tornaram peças raras – e caras – em livrarias do país, e por isso a notícia do relançamento pela Companhia das Letras é tão importante para a manutenção de uma das mais contundentes obras literárias brasileiras em todos os tempos. Segundo a editora, o primeiro título a ser relançado será Casa de Alvenaria, lançado em 1961, como parte da série Cadernos de Carolina, e virá em formato ampliado, com vasta informação biográfica a respeito da vida e luta da autora. A ideia da editora é incluir na coleção o máximo do material escrito por Carolina, incluindo romances, diários, poemas, contos, teatro, memórias e ainda alguns textos críticos sobre a obra.

© IMS

A iniciativa será inteiramente supervisionada por um conselho editorial especial, reunindo Vera Eunice de Jesus, filha de Carolina, e a grande escritora Conceição Evaristo, com as pesquisadoras Amanda Crispim, Fernanda Felisberto, Fernanda Miranda e Raffaella Fernandez. A nova edição, no entanto, não contará com Quarto de Despejo e Diário de Bitita, obras ligadas ao catálogo de outras editoras, e ainda não há uma data confirmada pela Companhia das Letras para o lançamento de Casa de Alvenaria.

Clarice Lispector e Carolina © IMS

Nascida na cidade de Sacramento, em Minas Gerais, Carolina Maria de Jesus viveu boa parte da sua vida em São Paulo, e deixou mais de 20 diários – diversos desses escritos jamais foram publicados. Em 1977 Carolina faleceu aos 62 anos como uma das primeiras autoras negras a alcançar o reconhecimento público e uma das mais importantes autoras brasileiras em todos os tempos.

© Arquivo Nacional

Publicidade

© fotos: créditos


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Dira Paes diz que viralização de cenas picantes com Manoela Aliperti em minissérie ‘envaidece’