Debate

Comentarista da CNN Brasil insinua que gays são promíscuos e ‘têm chance muito maior de ter Aids’

por: Redação Hypeness

A CNN Brasil convidou o comentarista Leandro Narloch para falar sobre a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que liberou a doação de sangue por parte de homens homossexuais e mulheres transsexuais, considerada um avanço pela comunidade LGBT. O jornalista, contudo, não compartilha da mesma opinião e acabou dando um show de homofobia e ignorância ao tentar ‘argumentar’ contra. 

“A mudança na verdade é pequena, ela vai restringir mais a conduta, e não o tipo de pessoa, a opção sexual (sic) do indivíduo. Toda essa polêmica começou porque, não há dúvida disso, os gays, os homens gays, eles têm uma chance muito maior de ter Aids, né? Em 2018, uma pesquisa mostrou que 25% dos gays de São Paulo eram portadores de HIV”, começou Narloch, sem citar a fonte de tal pesquisa. Ele também usou o termo errado: o correto é dizer orientação sexual, uma vez que ninguém tem a opção de ‘escolher‘ sua sexualidade. 

– STF leva a melhor e Anvisa tem que revogar proibição de doação de sangue por homens gays

Apresentadores do ‘Live CNN Brasil’, Marcela Rahal e Phelipe Siani ficaram sem reação diante das frases ditas pelo comentarista. “Bom, é… A gente acabou de falar sobre essa mudança de protocolo: 2020 e só agora a gente teve retirado de fato esse impedimento de homossexuais fazendo doação de sangue”, falou Siani. Ambos os jornalistas não pareciam estar munidos de dados para contestar o comentarista convidado. 

– Sangue LGBTQ+ também salva vidas: a vitória contra o preconceito que afeta a vida de todos nós

O que Narloch esqueceu de comentar é que, de acordo com um balanço divulgado em 2018 pela Secretaria de Estado de Saúde (SES), a maioria dos casos de detecção de HIV/Aids estão entre homens heterossexuais. Segundo o Boletim Epidemiológico Nacional, dos 297 casos diagnosticados e notificados, 204 são homens, representando 68,68%. Dos novos casos 52% são heterossexuais e 18% são homossexuais. A fala do jornalista repercutiu na internet com muitas críticas.

– 18 milhões de litros de sangue é o que o Brasil desperdiça por preconceito

– Muçulmano quebra Ramadam para doar sangue e salvar a vida de homem hindu

Leando Narloch, da CNN Brasil, sugeriu que gays são promíscuos

“Mesmo que esse número seja exagerado, e de fato ele parece mesmo exagerado, o fato é que é dezenas de vezes maior, maior a chance do que na população geral. A questão é que outros critérios para exclusão já restringem os gays que têm comportamento promíscuo, né?”, continuou o jornalista.

A fala voltou a tornar os colegas de debate sem reação. “Gente”, limitou-se a falar Marcela, mudando o tema do programa para o aniversário da derrota por 7 a 1 que o Brasil sofreu da Alemanha na Copa de 2014, há seis anos.

Leandro Narloch se defendeu dos comentários homofíbicos no Twitter. O comentarista lamentou a repercussão, disse que não gosta de homofobia e que se sente incomodado com o rótulo. Narloch, no entanto, reafirmou que gays correm mais riscos de serem infectados. “A prevalência de HIV ser mais alta entre gays. Isso é de conhecimento notório e incontroverso – mudar essa situação é justamente uma das boas bandeiras do movimento LGBT”.

Publicidade

Foto: Reprodução/CNN Brasil


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Herdeira da Disney diz que ‘tinha vergonha do sobrenome’ ao falar de doação milionária