Debate

Coronavírus avança em frigoríficos do Brasil e faz China suspender exportações de carne

por: Yuri Ferreira

Com o avanço do novo coronavírus pelos frigoríficos e matadouros brasileiros, um dos principais mercados exportadores da carne brasileira, a China, está reticente com a produção alimentar no Brasil. Isso se deu após 206 denúncias e 114 inquéritos abertos pelo Ministério Público do Trabalho sobre condições de proteção contra o vírus dentro dos ambientes de produção no Brasil.

Plantas de produção de carne da Minueno/BRF em Lajeado (SC), da Marfrig, em Várzea Grande (MT), Ada gra, em Rondonópolis (MT) e da JBS em Passo Fundo e Três Passos (RS) tiveram suas exportações freadas por decisão do governo chinês. Segundo o Ministério da Agricultura, 8 frigoríficos tiveram suas atividades suspensas e mais de 80 tiveram de selar Termos de Ajustamento de Conduta por causa dos sistemas de proteção contra a covid-19 dentro de suas instalações operacionais.

– Coronavírus: uma janela para outros mundos | parte #4 | Decrescimento e suficiência: novas métricas para novos mundos

Focos de coronavírus em exportadores de carne podem impactar economia nacional

O governo brasileiro está abrindo um requerimento para dar fim às suspensões. “O GACC (Administração Geral das Alfândegas] solicitou informações sobre alguns estabelecimentos brasileiros que exportam para a China e que tiveram notícias divulgadas na imprensa do Brasil sobre casos da Covid-19 entre seus trabalhadores”, afirmou.

“Nós alertamos, diversas vezes, que isso acabaria acontecendo. Avisamos que isso acabaria impactando as exportações em alguma momento”, disse a gerente do Projeto de Adequação das Condições de Trabalho nos Frigoríficos do MPT, a procuradora Priscila Dibi Schvarcz, à Folha de São Paulo.

– China diz que controlou surto de coronavírus iniciado em tábua de cortar salmão em mercado

Na Alemanha, uma segunda do vírus estava relacionada ao trabalho em frigoríficos. Na China, o mercado de Xinfadi foi responsável por um lockdown que fechou alguns bairros de Pequim para conter o espalhamento do novo coronavírus pelo país. Nos EUA, problemas em plantas de produção e armazenamento de carne também foram responsáveis por focos da doença.

A FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) aponta que são mais de 70% das novas doenças estão relacionadas ao elevado consumo de carne pelos seres humanos. “Corremos um risco constante de surgimento de novos patógenos de origem animal, e de que animais de criação, com os quais o homem tem maior contato, podem atuar como fontes de vírus importantes geradores de pandemias”, afirmou James Wood, chefe do medicina veterinária da Universidade de Cambridge, à RFI.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
IBGE libera ranking de cidades com o maior consumo de bebidas alcóolicas