Debate

Coronavírus expõe chaga do trabalho escravo. Imigrantes ganham R$ 0,05 por máscara

por: Yuri Ferreira

Uma profunda investigação da Folha de São Paulo sobre as condições de trabalho de imigrantes durante a pandemia do novo coronavírus mostrou que costureiras podem receber até R$ 0,05 por máscara confeccionada. Isso mesmo que você leu: para produzir uma máscara que pode ser vendida por preços altos, as trabalhadoras fabris que confeccionam o equipamento de proteção mais importante no combate ao novo coronavírus podem receber até 5 centavos por peça.

– Coronavírus fez entregadores de delivery trabalharem mais e receberem menos

Com a queda da demanda das fábricas e a retração econômica causada pelo combo de pandemia e ineficiência do governo, o preço pago pelos serviços de costura diminuiu muito. As produções, em sua maioria dominadas por imigrantes de Bolívia e Paraguai, têm condições insalubres de trabalho. A concorrência de baixo preço tem acabado com os rendimentos de famílias imigrantes, que estão em situação de completa vulnerabilidade no país.

Se o trabalho em condições análogas a escravidão era comum no pré-pandemia, a derrocada econômica e a demanda intensiva por equipamentos de proteção como aventais e máscaras esticou ainda mais a corda da já precarizada massa de trabalhadores imigrantes do mercado de confecção, especialmente na região de São Paulo.

– Coronavírus: o modelo neoliberal em xeque contra a pandemia

Debate sobre precarização de trabalhadores na linha de montagem das máscaras nos faz refletir: quais os custos da proteção?

“Eles te pressionam, ficam te ligando dizendo: ‘Você tem que me entregar, comigo não tem brincadeira’. Tem dia que trabalhamos das 6h30 até as 4h do dia seguinte, com um descanso de 20 minutos”, diz ela. “Temos crianças em casa, não podemos trabalhar dessa maneira. Mas às vezes temos que aceitar porque, se não, como vamos seguir adiante?”, contou uma trabalhadora à Folha.

– Mulher que manteve idosa em situação análoga à escravidão sabia o que estava fazendo

A apuração da jornalista Flávia Mantovani ainda descobriu que o preço dos contratos pode chegar ao custo de 5 centavos por máscara, variando entre 40 e 60 centavos, em média. Além disso, foram registrados calotes na casa dos milhares de reais que colocaram famílias em situação de risco. Serve também para nos trazer a reflexão:

“É um trabalho que parece fácil à primeira vista, mas dependendo do modelo de máscara é difícil de fazer. O avental, então, é como uma peça de roupa normal, demora até 40 minutos. Se fizer muito rápido não fica bom. E temos que tomar muito cuidado com a higiene, não pode cair um fio de cabelo na peça, porque vai para hospital”, afirmou uma das trabalhadoras à Folha, em anonimato.

– Coronavírus: uma janela para outros mundos | parte #2 | A chave na engrenagem

A reportagem descobriu que com a pandemia, os preços das máscaras aumentaram e os atravessadores – negociantes que fazem os contratos com os hospitais e terceirizam a produção – podem levar R$3 por máscara, triplicando seu lucro sem repassar nada para os trabalhadores imigrantes, que se arriscam para poder sobreviver.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Jovem estuprada no Cafe de la Musique expõe manipulação de fotos feita por defesa de acusado