Arte

Desenhos hiper realistas feitos com caneta esferográfica que mais parecem fotografias

por: Redação Hypeness

Alguns artistas carregam tanto talento que muitas vezes não precisam de praticamente ferramenta alguma para causar espanto em quem conhece seu trabalho – somente, por exemplo, uma simples caneta bic. É o caso do desenhista ucraniano Andrey Poletaev que, com nada além de uma esferográfica azul ou preta é capaz de criar obras tão realistas que mais parecem fotografias sob o efeito de algum filtro. Mas não: são de fato desenhos criados por este que é reconhecido como um dos melhores artistas de caneta esferográfica em todo o mundo.

 Ainda que não goste de ser visto como um artista do hiper-realismo, é difícil pensar em outra coisa quando conhecemos seu trabalho: seus desenhos de paisagens, cidades, celebridades, grandes artistas – com evidente destaque para a atriz Audrey Hepburn – exigem muitas vezes mais de 20 camadas de tinta de suas canetas esferográficas e centenas de horas de dedicação total – e profundo e evidente talento – para se chegar ao fotográfico e impressionante resultado final.

“Em cada desenho eu refino técnicas e incluo novas técnicas”, disse Poletaev. “Eu tento alcançar o efeito máximo em termos de ilusão ótica. Aplico muitas camadas de tinta, camadas de traços muito leves e longos, aplicadas de forma densa entre elas; camadas aplicadas em outros ângulos para criar superfícies cinzas; camadas aplicadas com maior pressão da ponta da caneta”, explica o artista. Em vão: compreender como é possível criar verdadeiras imagens à perfeição com somente uma caneta bic é virtualmente impossível.

Publicidade

© artes: Andrey Poletaev


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
As polêmicas e controvérsias por trás de ‘O Juízo final”, de Michelangelo