Arte

Dia Internacional do Reggae: mensagem política popularizada por Bob Marley continua atual e necessária

por: Bárbara Martins

A voz e as palavras de Bob Marley (1945 – 1981) seguem comunicando ideais importantes por meio do reggae. Maior responsável pela disseminação do gênero musical jamaicano que inspira milhares de artistas desde o final dos anos 1960, Marley ajudou a semear princípios de libertação, amor, resistência negra, protagonismo dos oprimidos e justiça social com música sensível e de ritmo leve, envolvente e repleto de ancestralidade.

Além da celebração de sua importância no Dia Internacional do Reggae, comemorado nesta quarta-feira (1/07), o ritmo também foi reconhecido como Patrimônio Cultural Imaterial pela Unesco, em 2018, por conta do papel sociopolítico e cultural que exerce desde sua criação.

– Inspirado em Bob Marley, fotógrafo de Gana é autor da melhor foto do ano

Para quem ouviu pouco do gênero e o associa mais a sensações de tranquilidade, positividade e paz — nenhuma delas correlacionadas de forma equivocada, inclusive —, urge mencionar canções que também ilustram parte da abordagem política do reggae. Na clássica “Redemption Song”, por exemplo, Bob Marley canta, em tradução livre: “Emancipe-se da escravidão mental / Ninguém além de nós mesmos pode libertar nossas mentes”.

Em um momento histórico em que o genocídio negro por parte do Estado segue escancarado em países como Estados Unidos e Brasil, o reggae continua como arma cultural de resistência ancestral. Com denúncias sobre violência e apagamento histórico em letras como a de “No Woman, No Cry”, também de Marley junto à banda The Wailers, o gênero natural das periferias de Kingston, capital da Jamaica, traz influências africanas e de outros ritmos fundados por mãos pretas, como ska, rocksteady, R&B, blues e jazz.

A resistência rastafári no reggae

Intimamente ligado ao Movimento Rastafári, o reggae também prega, por meio das músicas, valores e crenças da filosofia religiosa de raízes africanas. Os dreadlocks, por exemplo, fazem parte da estética do rastafarianismo e têm significado importante dentro religião.

– Documentário ‘Enraizadas’ conta a história da trança nagô como símbolo de tradição e resistência

No contexto rastafári, os locks surgiram de um movimento de soldados guerrilheiros que juraram não cortar os cabelos até que Haile Selassie (1892- 1975), ex-imperador da Etiópia — que, no rastafarianismo, seria a ressurreição de Yahshya (Jesus) — fosse libertado do exílio que enfrentou após liderar a resistência contra a invasão italiana em seu país nos anos 1930.

Guerrilheiros que decidiram fazer uso político de dreadlocks

– Ele dedicou anos da vida a clicar os cenários de capas de vinis de reggae

Símbolo de resistência, luta e ancestralidade africana até hoje, os cabelos dos guerreiros ficavam emaranhados ao longo do tempo e criavam “locks” (“travas” ou “mechas embaraçadas”, em tradução livre). Como os soldados que aderiram ao “estilo” eram temidos (ou “dreaded”, em inglês), o termo dreadlocks passou a valer.

Apesar de aspectos relacionados à ganância de Selassie aparecem na história — como conta reportagem da “BBC” —, o simbolismo do imperador, os dreads e a fé dos rastas na presença do espírito de Jah (Deus) dentro de cada um permanecem fortes.

Assim, o reggae continua firme como um dos canais responsáveis por manter culturas negras vivas, presentes e viajando por todos os corações abertos a mensagens que, no fundo, são sempre sobre amor.

Além de ‘pai do reggae’, Bob Marley foi um dos disseminadores da palavra do rastafarianismo

Publicidade

Foto 1: Reprodução / Foto 2: Getty Images


Bárbara Martins
Criada em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, é jornalista, fotógrafa e videomaker. Envolvida pela cultura, história e arte de subúrbios e periferias, dedicou pouco mais de dois anos à cobertura de pautas relacionadas à música como redatora do site Reverb, antigo parceiro do Rock in Rio. Em formação pela UFRJ, também tem experiência com produção de conteúdo para redes sociais, assessoria de imprensa e gravação de sessions e entrevistas.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Gilberto Gil inspira hashtag no Instagram com artes visuais do Brasil inteiro