Inspiração

Museu da Língua Portuguesa lança projeto que usa a palavra para lidar com as dores da pandemia

por: Vitor Paiva

A palavra não é  somente nossa maior ferramenta de comunicação e um dos principais instrumentos para a criação humana – ela pode ser também um remédio. Usar a palavra para curar nossos males e dores é recurso que escritores ao longo da história sempre souberam ser poderoso, e em um contexto tão doloroso e áspero quanto o da atual pandemia o Museu da Língua Portuguesa decidiu oferecer essa hipótese de saúde pela palavra a todos. A Palavra no Agora é um projeto virtual que oferece espaço e estímulo para que todos possam processar mais e melhor os acontecimentos através de exercícios de escrita.

O Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo

A ideia é oferecer um meio para podermos lidar melhor com o que sentimos nos mais diversos aspectos impostos pelo contexto atual – do isolamento ao luto, passando pelas angustias naturais e por dores maiores circunstanciais, agravadas muitas vezes pela impossibilidade de realização de nossos rituais costumeiros. “São as palavras que dão concretude ao que vemos, ao que pensamos, e ao que sentimos. Mas às vezes nos faltam palavras para processar o mundo atingido pela pandemia de coronavírus. Num ambiente que muda velozmente, o futuro é de incertezas. Ainda assim, estamos aqui. E o que sentimos existe”, diz o comunicado do projeto. Os exercícios podem ser feitos por qualquer pessoa, com ou sem experiência prévia de escrita, a partir de um roteiro simples de perguntas.

E como escrever e ler são faces indissociáveis da mesma cura, o projeto também disponibiliza trechos de grandes obras literárias que tratam de sentimentos de perda, em um espaço aberto que também aceita outras sugestões inspiradoras. “O Museu da Língua Portuguesa, ainda que fechado, é uma instituição a serviço de sua comunidade, no sentido mais amplo. O projeto A Palavra no Agora nasce nesse momento histórico, mas não se resume a ele. A ideia é que as novas urgências que vivemos sejam incorporadas tendo como base a potência das palavras não só para a tradução de sentimentos, mas no acolhimento e na imaginação de futuros”,  afirma Marília Bonas, diretora técnica do IDBrasil, organização social de cultura que gerencia o Museu da Língua Portuguesa.

O projeto A Palavra no Agora é realizado com o apoio da Profa. Dra. Maria Helena Franco (Laboratório de Estudos do Luto – LeLu, da PUC-SP), Profa. Dra. Ivânia Jann Luna (Laboratório de Processos Psicossociais e Clínicos no Luto – LAPPSIlu, da Universidade Federal de Santa Catarina), Fabíola Mancilha Junqueira (psicóloga e arteterapeuta, mestranda no LeLu/PUC-SP), do Professor Fabio de Paula (Faculdade Cásper Líbero) e da Professora Mariana Valente (InternetLab). O  Museu da Língua Portuguesa é uma instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, e o site também oferece informações de apoio para quem estiver enfrentando maiores dificuldades em lidar com a pandemia.

Publicidade

© fotos: divulgação/reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.


X
Próxima notícia Hypeness:
Esta espécie rara de uva é maior que um ovo de galinha