Inspiração

Nova Zelândia (outra vez) mostra criatividade para falar aos jovens sobre pornô

por: Vitor Paiva

Há muitos debates sendo hoje levantados a respeito da indústria pornográfica, desde a produção até o consumo, sobre quais os limites, os dilemas, as mudanças necessárias, as proibições fundamentais ou a influência e importância de tais filmes e vídeos. O que o governo da Nova Zelândia tem certeza é que é de fundamental importância proteger as crianças de tais conteúdos – e informar aos pais o caso eventual de que algum pequeno esteja exposto à pornografia. Para isso, uma campanha em vídeo foi desenvolvida, a fim de alertar a população para tal questão.

Os dois atores que visitam a mãe no vídeo da campanha

No vídeo, um homem e uma mulher, nus e interpretando o papel de dois atores pornôs, vão até uma casa para informar diretamente a uma mãe que seu filho crianças “procurou” por eles na internet nos mais variados equipamentos de streaming de vídeo. “Nós normalmente atuamos para adultos, mas seu filho é só uma criança” diz a atriz, no vídeo. “Ele pode não saber como as relações realmente funcionam, nós não falamos sobre consentimento, só fazemos mesmo” ela segue, ao que o ator coloca o ponto fundamental da campanha: “nós jamais agiríamos assim na vida real”, ele diz.

“É hora de falarmos sobre a diferença entre o que você assiste online e relacionamentos na vida real”, diz a mãe, diante da surpresa do filho. “Sem julgamentos”, conclui.

O espanto da mãe diante da visita…

A campanha visa justamente incentivar, sem moralismo e com liberdade, o diálogo em família, a fim de conter a busca, entre jovens, de pornografia para que aprenderem sobre sexualidade e relacionamentos – enquanto crianças muitas vezes encontram tais conteúdos por acidente na internet.

…e mais ainda do filho ao ver a atriz e o ator na porta de sua casa

Intitulada Keep It Real Online, a campanha reúne material geral para o tema em um site. “É normal que jovens estejam curiosos sobre sexo. A melhor forma de dar apoio a eles é estar aberto para conversas honestas sobre o que eles podem estar vendo e falar sobre como a pornografia é diferente dos relacionamentos na vida real”, dizem os responsáveis pela iniciativa. O intuito, portanto, não é necessariamente criminalizar a pornografia, sua produção e seu consumo, mas sim o diálogo para que os jovens aprendam a diferença entre as relações – sexuais, afetivas, éticas, amorosas – da vida real e dos filmes.

Publicidade

© fotos: reprodução


Vitor Paiva
Escritor, jornalista e músico, doutorando em literatura pela PUC-Rio, publica artigos, ensaios e reportagens. É autor dos livros Tudo Que Não é Cavalo, Boca Aberta, Só o Sol Sabe Sair de Cena e Dólar e outros amores.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Vovó da etnia Navajo de 96 anos viraliza com seus bordados no TikTok