Debate

Sem mostrar o rosto, ex-guarda de campo de concentração nazista se desculpa em julgamento

por: Yuri Ferreira

O ex-guarda Bruno Dey, da Schutzstaffel (SS), organização paramilitar de Adolf Hitler na Alemanha Nazista, está sendo julgado aos 93 anos pela sua participação em assassinatos no campo de concentração de Stutthof, na Polônia, durante o Holocausto. A atenção da mídia tem se voltado ao caso pela postura do acusado, que esconde seu rosto durante as audiências do processo.

– Ele coloriu 10 fotos do holocausto para que ninguém se esqueça do horror do nazismo

A postura de Dey é um constante pedido de desculpa. O réu serviu a força armada da SS entre agosto de 1944 e abril de 1945, quando tinha, respectivamente, 17 e 18 anos e, por isso, está sendo julgado, aos 93 anos, em tribunal para menores de idade. Segundo a acusação, o ex-guarda da organização paramilitar de Hitler participou como cúmplice do assassinato de 5230 pessoas no período.

Bruno Dey esconde seu rosto durante o julgamento e pede perdão às vítimas do Holocausto

O ex-carrasco reconhece o sofrimento dos judeus no campo de concentração, além de sua defesa alegar que, à época, Bruno Dey não havia se alistado à SS, mas foi forçado a trabalhar para os alemães (entretanto, não se opôs aos campos de extermínio).

“Eu não sei por que os judeus estavam lá. Eu sabia muito bem que eles eram judeus que não haviam cometido sequer algum crime, que eles estavam lá somente por serem judeus. E eles tem o mesmo direito de viver e trabalhar como qualquer outra pessoa. Mas era Hitler e seu partido que tinha algo contra eles”, testemunhou o ex-militar, conforme apuração da AFP.

– Ela sobreviveu ao holocausto e aos 96 é vocalista de uma banda de death metal

“Gostaria de me desculpar diante daqueles que sofreram esse inferno e diante de seus familiares. Algo semelhante nunca deve acontecer novamente”, declarou Bruno Dey, 93, que está sendo julgado em Hamburgo, na Alemanha.

“O acusado não era um adorador da ideologia nazista. Mas não há dúvidas de que ele nunca se opôs às persecuções do regime nazista”, descrevem os procuradores do processo. Caso condenado, Bruno Dey pode encarar prisão domiciliar, como pede sua defesa, ou será sentenciado à prisão – que pode variar entre 6 meses e 10 anos.

– Conheça a enfermeira que raptou e salvou 2.500 crianças judias das mãos dos nazistas

O governo alemão tem procurado fazer Justiça às vítimas do Holocausto. Um dos mais notórios casos foi o de John Demanjuk, condenado por 27,900 mortes por seu papel como guarda no campo de extermínio de Sobibor, em processo concluído em 2011, quebrando a jurisprudência que interpretava que funcionário dos campos (ao contrários dos líderes do processo do Holocausto) não eram culpados pelo genocídio. Reinhold Hanning, Hubert Cafke e Helma M. (que foi uma operadora de rádio em Auschwitz) também foram julgados recentemente.

Publicidade

Fotos: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Sobrinho de Pablo Escobar encontra R$ 100 milhões em antigo apartamento do tio