Ciência

As incríveis (e loucas) ilustrações do mais antigo livro impresso sobre a vida marinha que se tem notícia

21 • 08 • 2020 às 18:19 Vitor Paiva
Vitor Paiva   Redator Vitor Paiva é jornalista, escritor, pesquisador e músico. Nascido no Rio de Janeiro, é Doutor em Literatura, Cultura e Contemporaneidade pela PUC-Rio. Trabalhou em diversas publicações desde o início dos anos 2000, escrevendo especialmente sobre música, literatura, contracultura e história da arte.

No início do século XVIII tanto a ciência moderna quanto o advento da publicação de livros estavam ainda engatinhando, e objetividade e método científico se misturavam com fantasia, folclore e imaginação na hora de determinar os conhecimentos e encerrar os primeiros compêndios sobre determinados temas. Por isso é tão incrível tomar conhecimento da obra do francês Louis Renard – principalmente de seu livro “Fish, crayfish, and crabs … found around the Maluk Isles, and on the coasts of the Southern Lands” (Peixe, lagostim e caranguejos… encontrados ao redor das Ilhas Maluk e na costa das terras ao sul, em tradução livre), publicado em 1719 e reconhecido como o primeiro com ilustrações coloridas da vida marinha.

A obra é hoje vista como uma peça de quase ficção, mas à época é provável que fosse vista como registro científico – os animais retratados no livro seriam da região da Índia e de outras partes do oriente, em uma época em que pouco se sabia na Europa sobre a biodiversidade marítima da região.

Não é por acaso que, ainda que certas anatomias sejam respeitadas e que o livro seja um incrível registro de uma época, muitas liberdades artísticas foram tomadas na feitura da obra: Renard pintou os peixes sem jamais ter viajado até a região, quanto mais mergulhado nos mares do oriente.

Entre as liberdades tomadas pelo artista estão peixes com boca em formato de funil, cores verdadeiramente psicodélicas estampando a pele de alguns animais, e até mesmo uma sereia ilustrada em um das páginas. Segundo consta, o autor copiou manualmente 460 desenhos de outros artistas para ilustrar “Fish, crayfish and crabs…” – que foi publicada em três edições, com somente 16 cópias ainda existentes no mundo da primeira, 34 da segunda e 6 da terceira, publicada em 1782.

Felizmente a Biodiversity Heritage Library oferece o livro para ser visto na íntegra em seu incrível acervo digital – que pode ser acessado aqui. Boa viagem no tempo, à imaginação, e ao fundo do mar.

Publicidade

Canais Especiais Hypeness