Debate

Camila Pitanga revela malária e faz post para exaltar o SUS; doença pode matar e requer cuidados

11 • 08 • 2020 às 11:26
Atualizada em 11 • 08 • 2020 às 11:42
Karol Gomes
Karol Gomes   Redatora Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Camila Pitanga usou as redes sociais para contar aos fãs que ela e Antônia, sua filha, testaram positivo para malária. Além de falar sobre a descoberta da doença, a atriz elogiou a equipe médica formada por mulheres e responsável por seu atendimento, que aconteceu todo no Sistema Único de Saúde (SUS).

Camila disse que estava tendo picos de febre e que uma amiga suspeitou que a alta temperatura poderia estar associada com o local escolhido pela atriz para cumprir o isolamento social contra o novo coronavírus. Ela e a filha buscaram refúgio em uma zona de Mata Atlântica no litoral de São Paulo. 

– Camila Pitanga beija namorada em público e os homofóbicos que lutem

“A suspeita era malária, doença muito rara, e não há melhor lugar para você ser tratado do que a rede SUS, local de referência e excelência para doenças endêmicas. No HC [Hospital das Clínicas], fui prontamente atendida por uma mulherada. Sim, uma equipe 100% de mulheres fantásticas”, relatou a artista.

Camila Pitanga elogiou a equipe médica que a atendeu no Hospital das Clínicas, toda composta por mulheres

– A naturalidade de Camila Pitanga ao assumir relacionamento é ganho contra homofobia

Em sua publicação no Instagram, Camila confirmou que os exames apontaram positivo para malária para ela e a filha: “Uma doença que ainda existe, é curável, mas precisa de cuidados”, destacou. E ela está certa em alertar. 

Malária segue um problema real no Brasil 

Estima-se que 2017 tenha registrado 219 milhões de casos e  435 mil mortes pela doença no mundo. A população mais vulnerável são crianças menores de 5 anos de idade, representando 61% dos óbitos. No Brasil, em 2018, foram notificados, em todo o país, 194.271 casos da doença. Em 2017, o número registrado foi de 194.426 positivos. 

– Aluno da UFMG, congolês ganha prêmio internacional por combate à malária

A atriz mostrou sua ficha médica no Instagram

A malária é transmitida por meio da picada de fêmeas do mosquito Anopheles infectadas pelo protozoário Plasmodium. E, no ano passado, do total de casos autóctones na região Extra-Amazônica, um terço foram registros com infecção nas áreas de Mata Atlântica. 

– Um mês após ciclone, casos de malária e cólera crescem em Moçambique

Camila também destacou a rapidez e a praticidade no tratamento totalmente gratuito oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“Faço cá meus votos de gratidão a todas e todos agentes de saúde, que além de estarem na trincheira nessa luta contra a covid-19, estão atendendo inúmeras outras demandas com seu profissionalismo em meio a condições e incertezas muito grandes”, completou a atriz.

Confira a publicação feita por Camila Pitanga no Instagram: 

Publicidade