Debate

Carrefour se desculpa por guarda-sol para cobrir corpo de homem morto e manter loja aberta

por: Karol Gomes

A unidade da rede de supermercados Carrefour em Torre, bairro do Recife, em Pernambuco, deu o que falar nas redes sociais pela forma quase inacreditável com que lidou com a morte de um homem. O vendedor Moisés Santos, que trabalhava para promover produtos da empresa Coco do Vale, sofreu mal súbito e acabou falecendo no local. 

Os funcionários do Carrefour, para não terem que fechar a loja, mantiveram o corpo do homem coberto com guarda-sóis do mostruário.  O corpo do Sr. Moisés permaneceu nas dependências da loja das 8:00 até o meio-dia, quando foi retirado pelo Instituto Médico Legal (IML) da região. O caso aconteceu na sexta-feira (14). 

– Responsáveis por Carrefour de Osasco não vão responder por cão assassinado; entenda

O Carrefour não confirmou se a imagem que circula pela internet relacionada ao caso é de Moisés

Embora não tenha repercutido nacionalmente, a atitude dos lojistas do Carrefour provocou revolta nas redes sociais. As pessoas pareciam não acreditar em como a rede de supermercados tratou a morte de uma pessoa em suas dependências. Uma publicação no Twitter mostrou que muitos dos clientes sequer notaram o que estava acontecendo e continuaram as compras enquanto seguranças cercaram a área.

– Tatá Werneck pede que Carrefour ajude ONGs de causas animais: ‘Para vocês, não é muito’

– Carrefour instala ‘lava rápido de compras’ para facilitar a vida em tempos de coronavírus

Carrefour se manifesta 

Após pressão nas redes sociais, o supermercado se pronunciou e respondeu aos críticos em diferentes posts no Twitter e Facebook. Uma nota oficial, no entanto, ainda não foi emitida para a imprensa. Entre os inúmeros comentários, a página do Carrefour respondeu dizendo que “o falecimento do Sr. Moisés Santos, vítima de infarto, foi um triste acontecimento para todos os colaboradores”

A multinacional informou ainda que, assim que o prestador de serviços começou a passar mal, procedimentos de primeiros socorros foram executados e o SAMU acionado. Apesar de não ter se manifestado sobre o uso de guarda-sóis para esconder o corpo, comunicou ainda que “por conta do ocorrido, revisitou protocolos, implementando obrigatoriedade de fechamento das lojas para fatalidades como essa”

– Supermercado exige que mulher cubra shorts e insinua ‘se ela estava usando calcinha’

Em nota enviada ao Hypeness, o Carrefour afirmou que “sente muito e informa que, por conta do ocorrido, revisitou seus protocolos, implementando a obrigatoriedade de fechamento das lojas para fatalidades como essa”. 

Confira a íntegra: 

“O inesperado falecimento do Sr. Moisés Santos, vítima de um infarto, foi um triste acontecimento para todos colaboradores. O Carrefour sente muito e informa que, por conta do ocorrido, revisitou seus protocolos, implementando a obrigatoriedade de fechamento das lojas para fatalidades como essa. Assim que o prestador de serviços começou a passar mal, iniciamos os primeiros socorros e acionamos o SAMU imediatamente. Permanecemos à disposição para apoiar a família do Sr. Moisés neste momento tão difícil”.

CARREFOUR RESPONDEU À SPDEPREGraças à repercussão do caso, a empresa diz que "revisitou" os protocolos. Aparentemente ninguém da empresa havia pensado que o correto seria fechar a loja.

Posted by São Paulo da Depressão on Tuesday, August 18, 2020

Publicidade

Foto: Reprodução/Facebook


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Bolsonaro nega anúncio de vacina do Ministério da Saúde: ‘Não compraremos vacina da China’