Futuro

Cientistas modificam cepa da maconha para curar células cancerígenas

por: Redação Hypeness

Há diversas provas científicas de que componentes da maconha, como o canabidiol (CBD), apresentam eficácia no tratamento de alguns sintomas de cânceres. É isso o que também mostra o recente estudo do pesquisador de câncer Matt Dun, da Universidade de Newcastle, na Austrália. Publicada em julho deste ano, a pequisa levou três anos e mostra que uma cepa específica e modificada de cannabis é capaz de destruir certos tipos de células cancerígenas sem oferecer risco a células saudáveis do corpo humano.

A cepa em questão, batizada como Eve, possui uma alta quantidade de canabidiol, mas foi modificada para conter menos de 1% da quantidade esperada de THC, o composto associado à sensação alucinógena causada pela maconha.

– Papel do racismo na criminalização da maconha é fundamental para entender preconceito

“Inicialmente, usamos células de leucemia e ficamos realmente surpresos com a sensibilidade delas ”, diz Dun ao site oficial da universidade. “Ao mesmo tempo, a cannabis não matou células normais da medula óssea, nem neutrófilos saudáveis normais [glóbulos brancos].”

“Percebemos então que havia um mecanismo seletivo de câncer envolvido e passamos os últimos dois anos tentando encontrar a resposta”, explica o pesquisador.

– Remédio brasileiro à base de maconha chega às farmácias após 35 anos; preço assusta

Em parceria com a Australian Natural Therapies Group (ANTG), a equipe de Dun realizou comparações entre cannabis com e sem THC, mas com níveis elevados de CBD. Eles descobriram que, tanto para leucemia quanto para glioma pediátrico de tronco cerebral, a variedade enriquecida com canabidiol era mais eficaz para matar células cancerígenas do que as variedades com THC.

“Existem ensaios em todo o mundo testando formulações de cannabis com THC como tratamento contra o câncer, mas se você pratica essa terapia, sua qualidade de vida é afetada”, diz Dun. “Você não pode dirigir, por exemplo, e os médicos são justificadamente relutantes em prescrever a uma criança algo que possa causar alucinações ou outros efeitos colaterais.”

“A variedade CBD parece ter maior eficácia, baixa toxicidade e menos efeitos colaterais, o que potencialmente a torna uma terapia complementar ideal para combinar com outros compostos anticâncer”, conta.

– 10 universidades pelo mundo que oferecem cursos focados em maconha

A próxima fase do estudo inclui investigar o que torna células cancerígenas sensíveis ao tratamento com cannabis, e células saudáveis, não. “Precisamos entender o mecanismo para encontrar maneiras de adicionar outros medicamentos que ampliam o efeito, e semana após semana estamos obtendo mais pistas”, acrescenta Dun.

“É realmente emocionante e importante se queremos transformar isso em uma terapia”, completa o líder do estudo, que também enfatiza o fato de a cannabis enriquecida com CBD ainda não estar pronta para uso clínico como agente anticâncer.

Publicidade

Fotos: Unsplash


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Os banheiros públicos high-tech – e transparentes – recém inaugurados no centro de Tóquio