Debate

Comentarista demitido após mandar jogador ‘pra senzala’ tinha grupo no WhatsApp com mesmo nome

por: Karol Gomes

O apresentador do programa ‘Estádio 97‘, Hilton Malta, o ‘Sombra‘, informou a demissão do comentarista Fábio Benedetti, conhecido como Chef Benedetti, nesta segunda-feira (3). A decisão foi tomada depois que Benedtti, durante uma transmissão ao vivo, proferiu uma ofensa racista contra o atacante Marinho, do Santos, ao associá-lo à palavra ‘senzala‘. O caso aconteceu durante o jogo entre Santos 1 x 3 Ponte Preta, pelas quartas de final do Campeonato Paulista.

Sombra, que também é coordenador artístico da rádio, leu uma nota da emissora durante a edição do programa esportivo. Na última sexta-feira (31), o comentarista já havia sido afastado da rádio por causa da repercussão negativa.

– Jogador alvo de racismo toma atitude que todo mundo deveria ter e abandona gramado

“Tenho um recado muito importante, peço seriedade. Como a gente disse na última sexta-feira, quando a gente anunciou o afastamento do Chef Benedetti, a gente ficou de trazer os próximos passos que seriam tomados. Hoje, oficialmente, comunicamos que o Chef Benedetti não faz mais parte do time da Energia 97FM. Com essa medida, a gente reitera o compromisso com a retidão e lisura que sempre foram e sempre serão características aqui da empresa. Assim, encerra-se o assunto na Energia 97, e a gente prossegue o jogo. Ponto final”, disse no ar.

View this post on Instagram

NOTA DE REPÚDIO

A post shared by Energia 97 FM (@energia97fm) on

– Jóia do Vasco fala de genocídio negro e pede posicionamento de colegas: ‘Não posso me alienar’

Durante o programa, Sombra não deixou claro se o desligamento havia ou não partido da rádio e tampouco reforçou se o motivo tinha, de fato, sido o racismo por parte do antigo contratado. Posteriormente, o apresentador entrou em contato com a reportagem do UOL para esclarecer que a demissão partiu da empresa.

Racismo ao vivo 

No intervalo da partida da última quinta-feira (30), após o atacante Marinho, que é negro, ser expulso, Benedetti foi questionado sobre o que diria ao santista em um suposto grupo de WhatsApp do qual os dois fariam parte.

Além de comentarista esportivo, Benedetti é chef de cozinha

– Bahia honra sangue negro e assume ponta contra elitização do futebol

Benedetti afirmou: “Eu vou falar assim: ‘Você é burro, você está na senzala, você vai sair do grupo uma semana para pensar sobre o que você fez'”. O comentário causou indignação em parte da audiência. 

A rádio Energia 97 transmitia a partida também no YouTube, de onde um trecho foi retirado e replicado nas demais redes sociais. Ainda durante a transmissão, o comentarista pediu desculpas pela sua declaração. 

– Não bastasse ser vítima de racismo, Taison é suspenso na Ucrânia

Questionado no Twitter sobre sua postura, Benedetti voltou a pedir desculpas. “Fui muito mal… Errei feio, usei uma palavra que nunca deveria, mesmo que sem intenção. Na mesma hora, percebi que falei uma grande M, pedi desculpas, mas sei que foi ridículo”.

Mais tarde, em nota oficial, o comentarista afirmou que pediu desculpas a Marinho e que vai promover debates sobre racismo em suas redes sociais. Ele ainda tentou justificar o uso da palavra, mas não fez muito sentido. De acordo com o comentarista, tratou-se de uma a referência a um grupo de Whatsapp do qual ele fazia parte com amigos.

 – Observatório do Racismo questiona normalização do preconceito no futebol

“Eu participava de um grupo de WhatsApp com muitas pessoas (envolvidas no esporte ou não) e com algumas regras. Quem não as cumpria, como forma de reflexão, era mandado para um grupo paralelo que tinha o nome de ‘Senzala’. Fiz questão de esclarecer isso, imediatamente, ao próprio Marinho, que prontamente aceitou as minhas desculpas”, disse Benedetti ao UOL. 

O comentarista classificou o episódio como um “fato de racismo cultural e estrutural” e que um grupo de Whatsapp chamado ‘Senzala‘, “sequer deveria existir”.

– Conversamos com as Dibradoras, as minas que deram um bico no machismo pelo amor ao futebol

O atacante do Santos confirmou ter desculpado o comentarista, mas, em um vídeo publicado em seu Instagram, Marinho apareceu chorando, indignado com a situação. Sobre os racistas, o jogador disse que “a Justiça não pune esses caras preconceituosos, vermes”.

View this post on Instagram

O momento não é dos melhores! Essa foto mostra e minha filha alicia negra como EU, cabelo black ou trança, nada esconde quem somos, ser humano igual a qualquer outro, e ontem um rapaz aí após minha expulsão, acabou falando pra eu voltar pra senzala! Mandar amigos me chamar não prova pra mim que você é diferente, eu te perdoo e perdoei por mensagem no insta , porém o tom de deboche ao falar que eu tinha que ir pra senzala não pegou bem, tenho orgulho daminha cor, orgulho de onde vim, você é pai e ensine teus filhos a ser diferente de você em pensamento! Quero que você se retrate e que isso não se repita nunca mais, nem comigo nem com ninguém! Eu luto pela causa! Contra preconceito e qualquer outro tipo de descriminação seja ela racial ou não! Quer me julgar por atitude em campo?ok! Errei e estou aqui pra assumir, esse é apenas um desabafo de alguém que passou a noite toda chorando por um erro! Mais não significa que até minha Cor venha ser colocada em assunto! Sou preto e orgulhoso de quem sou! Ensinando minha filha como se deve andar e mostrar que é orgulho e não vergonha ser PRETO

A post shared by ✞ 𝕸𝖆𝖗𝖎𝖓𝖍𝖔 ☬ (@marinhoofficial) on

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Luísa Sonza é processada por racismo por advogada negra e fala em ‘acusação falsa’