Inspiração

Confeiteira humilhada por taxa de entrega de R$ 2 desabafa e ganha vaquinha nas redes

por: Yuri Ferreira

Uma confeiteira de Marília (SP) que passa por dificuldades financeiras foi humilhada por uma possível cliente após dizer que cobrava uma taxa de entrega de R$ 2. Depois desabafar na internet e contar a situação de sua família nas redes sociais, expondo a conversa que teve no Whatsapp, uma vaquinha foi feita para ajudá-la com dinheiro para investir no empreendimento e também pagar as contas atrasadas.

Essa é uma daquelas histórias para mostrar que o cliente nem sempre tem razão. A mulher perguntou o valor de um bolo no pote: R$6. E então Ângela Oliveira, a confeiteira, falou que para era cobrado R$ 2 para fazer a entrega. A outra pessoa na conversa começou a dizer que esse valor era inaceitável e que uma pequena empreendedora não deveria cobrar uma taxa pela entrega. Oi?

– Guarda humilhado por carteirada de desembargador diz que não consegue dormir

Em um primeiro momento, Ângela tentou se justificar para a cliente

Depois de tentar explicar o porquê da cobrança de uma taxa de entrega, a pessoa começou a humilhar Angela dizendo que ela nunca iria conseguir nada, tratando com deboche e dando ‘boa sorte‘ com ironia.

Educada, a confeiteira Angela mandou um simples ‘Deus te abençoe’. Tudo por R$ 2.

– A história do jovem brasileiro com paralisia cerebral que virou inspiração após comentários cruéis na internet

“Não faço bolos apenas por gostar, é a minha profissão, vivo disso. No meio disso, tenho casa, filhos, comida, roupa, então antes de humilhar alguém, tenta se colocar no lugar, tenta ter empatia. Eu não brinco de trabalhar”, desabafou nas redes sociais.

Cliente humilha a confeiteira que luta para conseguir sustento

Solidariedade em tempos difíceis, minha gente! 

Em um momento em que a maior parte da população brasileira sobrevive do auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal e que grande parte das pessoas continuam desempregadas ou se arriscando na rua com um vírus que matou mais de 100 mil pessoas à espreita, a postura completamente grosseira e arrogante da cliente mostra que nem todo mundo possui empatia pelos outros.

“Eu tinha aluguel para pagar, crianças para sustentar e entrei em desespero. Vi no Youtube vídeos de cozinha e pedi R$ 100 para minha mãe, pra comprar o básico pra começar. As vendas não são fortes, mas eu vendo de porta em porta e pelas redes sociais. Eu tenho que me virar e ir fazendo a divisão, para não deixar faltar bolo nem as coisas básicas da casa”, explicou Angela ao G1.

– João Gordo abre vaquinha para entregar marmitas veganas aos moradores de rua durante pandemia

Após a história ser compartilhada por diversas pessoas nas redes sociais, uma vaquinha online surgiu para dar uma ajuda a Angela. O foco do projeto de financiamento coletivo é auxiliar a confeiteira a adquirir os ingredientes e continuar o seu negócio, além de reorganizar sua vida financeira. Até o momento dessa publicação, foram arrecadados 62 mil reais para a confeiteira. Viva o espírito de fraternidade!

Publicidade

Fotos: Reprodução/Facebook


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Ambev quer ajudar 2,5 milhões de brasileiros a reduzirem o consumo excessivo de álcool