Debate

Criança de 10 anos, grávida após estupro, mobiliza sociedade pelo direito ao aborto

por: Karol Gomes

Em São Mateus, no Espírito Santo, uma menina de 10 anos engravidou após ter sido estuprada. A polícia concluiu inquérito e indiciou o tio da menina pelo ato de violência sexual. Apesar de parecer claro, a urgência de um aborto seguro para tentar devolver a infância a vítima está em debate e dividindo opiniões. 

A denúncia do crime aconteceu no sábado (8), quando a menina deu entrada no Hospital Estadual Roberto Silvares acompanhada de um familiar. No atendimento, informou que tinha sido vítima de estupro e descobriu a gravidez. 

– Jovem estuprada no Cafe de la Musique expõe manipulação de fotos feita por defesa de acusado

O tio da garota, indiciado pelo estupro, está foragido

– Vítima diz que homem tentou se masturbar no trem e denuncia assédio: ‘Não se calem’

Ouvida pela polícia, a garota disse que é estuprada pelo tio desde os 6 anos de idade, mas que não o denunciou por medo, já que ele a ameaçava de morte. O suspeito pelos abusos foi indiciado pelos crimes de ameaça e estupro de vulnerável, ambos praticados de forma continuada. Ele está desaparecido e agora é considerado foragido.

“Foram feitas oitivas de todos os familiares e profissionais envolvidos no caso e a vítima também passou por avaliação do médico perito da polícia civil”, disse ao G1 o delegado Leonardo Malacarne, responsável pelo caso investigado pela Delegavia Especializada de Proteção à Criança e ao Idoso (DPCAI).

Direito ao aborto 

Muito embora a legislação brasileira permita o aborto legal quando a paciente é vítima de abusos sexuais, a decisão sobre o procedimento para esta criança especificamente está sendo levada à Justiça. A indefinição causou revolta na internet nesta quinta-feira (13). No Twitter, a hashtag #GravidezAos10Mata viralizou.

– Atriz que viverá escrava sexual em novela fala sobre cura de estupro de diretor e agressão do namorado

Publicidade

Foto: Secretária de Saúde Espírito Santo/Reprodução


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Atriz pornô grava próprios vídeos, se afirma feminista e diz que ‘mulher é livre’