Debate

Estes livros podem ajudar no papo com crianças sobre segurança íntima e educação sexual

por: Karol Gomes

O debate sobre educação sexual tem tomado mais proporção na internet nos últimos dias. Infelizmente, a motivação é o triste caso da menina de 10 anos, que engravidou após ser estuprada pelo próprio tio durante seis anos. 

Aconteceu em São Mateus, no Espírito Santo, e o crime foi descoberto quando a vítima foi levada ao Hospital Estadual Roberto Silvares acompanhada de um familiar. A criança revelou no atendimento que tinha sido vítima de estupro e descobriu a gravidez.

– Criança de 10 anos, grávida após estupro, mobiliza sociedade pelo direito ao aborto

A vontade da vítima foi ouvida e o aborto seguro, executado. Dias depois, o homem de 33 anos que a violentou foi preso em Minas Gerais. Mas esses fatores estão longe de significar um encerramento para o assunto, tampouco um final feliz para a menina. 

Para conseguir ter seu direito ao aborto, que é garantido por lei – a legislação brasileira permite o aborto legal quando a paciente é vítima de abusos sexuais – a decisão precisou ser levada à Justiça. 

View this post on Instagram

Caos.a indica livros para falar sobre segurança íntima com as crianças: 1 “Não me toca, seu boboca” de Andrea Viviana Taubman dá à criança instrumentos para reconhecer uma situação de abuso e se proteger. Sem abrir mão de toda a leveza que uma história infantil pede, Tauban aborda com eficiência esse tema tão difícil. Essa publicação da Editora Aletria ainda conta com as belas ilustrações de Thais Linhares. 2 Um dos grandes aliados da violência é o segredo. Foi pensando nisso que "O Segredo de Tartatina" conta de forma lúdica a história da tartaruga Tartarina, que foi vítima de abuso sexual e, por sentir medo, não consegue contar para ninguém. Este livro é super recomendável porque traz de forma lúdica e didática ensinamentos de como identificar casos de abuso sexual e o que deve ser feito nessas situações. 3 "Pipo e Fifi ", escrito pela pedagoga e mestre em educação sexual Caroline Arcari conta a história de dois monstrinhos, uma menina e um menino. Ao narrar a diferenciação do toque afetivo e do abusivo, este livro ensina o que é mais importante: como se proteger e conceitos básicos sobre o corpo. Indicado para crianças a partir de 3 anos de idade 4 A mão boa e a mão boba Como diferenciar toques amigos de toques abusivos?  Em "A mão boa e a mão boba", Renata Emrich narra através de uma  linguagem simples e educativa esse discernimento tão tênue e necessário para a proteção de crianças e adolescentes. Boa Leitura! #direitoshumanos #estatutodacriançaedoadolescente #direitosdasmulheres #educação #segurançaíntima #infância #onu #unicef #literaturainfantil #literatura

A post shared by Caos.a (@_caos.a) on

– Twitter tem 24h para retirar dados expostos por Sara Winter de criança que abortou após estupro

Mesmo com a liberação por parte do juiz Antônio Moreira Fernandes, que atendeu a um pedido do Ministério Público favorável à interrupção da gravidez, a vítima precisou ser transferida para Recife pois os médicos do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam), no estado do Espírito Santo, se recusaram a realizar o procedimento. 

No meio de tudo isso, movimentos de grupos religiosos começados na internet foram parar na porta do Centro Integrado de Saúde Amauri de Medeiros (Cisam), no Recife (PE), para impedir o aborto legal da criança, sobre a crença de que era possível salvar as duas vidas: a vítima e a do feto. Foi preciso que os religiosos fossem retirados do local para que o procedimento acontecesse com segurança. 

– Médico que fez aborto de criança estuprada cobra ética e critica exposição; tio confessa crime, diz polícia

Por fim, o caso demonstrou que muito trabalho ainda precisará ser feito em prol da vida dessa menina, principalmente para garantir condições psicológicas para enfrentar o trauma do estupro, somado a culpa gerada pelo julgamento da sociedade, afinal, é possível encontrar online comentários assustadores que a culpabilizam pela violência que sofreu.

Educação sexual  

Muitos também associam, de forma equivocada, a educação sexual que poderia ter salvado a menina, com motivação para o estupro. Esse tipo de discurso ainda é endossado por ninguém menos que o atual presidente da República, Jair Bolsonaro, que demonstra pensar dessa forma desde quando era deputado, quando já criticava o livro ‘Aparelho Sexual & Cia – um guia inusitado para crianças descoladas’ (Companhia das Letras), dizendo que ele fazia parte de um suposto ‘kit gay‘ criado por Fernando Haddad quando foi ministro da Educação, de 2005 a 2012, nos governos Lula e Dilma Rousseff.

– ‘Mãe, o [padrasto] mexe comigo’: ela se escondeu e flagrou tentativa de estupro contra a filha

Trata-se de fake news: além de esse projeto político nunca ter existido, a obra literária — originalmente escrita e ilustrada pelos franceses Hélène Bruller e Zep — tem como proposta explicar o sexo de forma didática e divertida para crianças.

Já com Bolsonaro como presidente, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), comandado por Damares Alves, lançou uma campanha com o objetivo prevenir a gravidez na adolescência sugerindo abstinência sexual. 

– Whindersson Nunes quer pagar tratamento psicológico de criança que abortou após estupro

Mas como sugerir abstinência sexual para pessoas em uma faixa etária que não sabem exatamente o que é sexo, que muitas vezes são manipuladas e coagidas a sofrerem abusos? 

Em resposta ao que foi proposto por Damares,  a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) declarou que “a abstinência somente é saudável se for uma escolha genuína do adolescente e não uma imposição ou a única opção oferecida. É fundamental garantir espaço para a autonomia. Qualquer programa com o objetivo de reduzir a prevalência de gravidez precoce deve promover o acesso à orientação adequada”

– Jovem estuprada no Cafe de la Musique expõe manipulação de fotos feita por defesa de acusado

Pensando nisso, a página no Instagram Caos.A sugeriu quatro livros que podem ajudar nessa orientação adequada desde a infância. Ensinando, principalmente, que existem limites de acesso ao corpo da criança e como identificá-los. Confira a lista: 

1- ‘Não me toca, seu boboca’, Andrea Viviana Taubman 

“Dá à criança instrumentos para reconhecer uma situação de abuso e se proteger. Sem abrir mão de toda a leveza que uma história infantil pede, Tauban aborda com eficiência esse tema tão difícil. Essa publicação da Editora Aletria ainda conta com as belas ilustrações de Thais Linhares”.

2 – ‘O Segredo de Tartatina’, vários autores 

“Um dos grandes aliados da violência é o segredo. Foi pensando nisso que ‘O Segredo de Tartatina’ conta, de forma lúdica, a história da tartaruga Tartarina, que foi vítima de abuso sexual e, por sentir medo, não consegue contar para ninguém. Este livro é super recomendável porque traz de forma lúdica e didática ensinamentos de como identificar casos de abuso sexual e o que deve ser feito nessas situações”.

3 – ‘Pipo e Fifi’, Caroline Arcari 

“Conta a história de dois monstrinhos, uma menina e um menino. Ao narrar a diferenciação do toque afetivo e do abusivo, este livro ensina o que é mais importante: como se proteger e conceitos básicos sobre o corpo. Indicado para crianças a partir de 3 anos de idade”.

Educação sexual ajuda na prevenção do estupro

4 – ‘A mão boa e a mão boba’, Renata Emrich 

“Como diferenciar toques amigos de toques abusivos?  Em ‘A mão boa e a mão boba’, Renata Emrich narra através de uma linguagem simples e educativa esse discernimento tão tênue e necessário para a proteção de crianças e adolescentes”.

 

Publicidade

Foto: Getty Images


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Funcionário é preso por estuprar hóspede em hotel na Barra da Tijuca