Ciência

Cloroquina e patinetes? Pesquisadores enviam estudo falso e desmascaram revista ‘científica’

Redação Hypeness - 25/08/2020

Um grupo de pesquisadores franceses resolveu testar os critérios de revisão da revista Asian Journal of Medicine and Health ao enviar um artigo sobre a eficiência da hidroxicloroquina na diminuição de acidentes de patinete. Publicado no veículo no último dia 15 de agosto, poucas semanas após a OMS suspender todos os testes com a substância no combate ao coronavírus, o estudo cumpriu a missão de desmascarar periódicos acadêmicos com pouco ou nenhum rigor científico.

Com trechos que lembram a famosa receita de miojo presente no desenvolvimento de uma redação do ENEM de 2013, o artigo “Sars-Cov-2 was Unexpectedly Deadlier than Push-scooters: Could Hydroxychloroquine be the Unique Solution?” (“Sars-Cov-2 foi inesperadamente mais letal que patinetes: poderia a hidroxicloroquina ser a única solução?”, em tradução livre) inclui referências e conclusões absurdas e até rizíveis.

– Coronavírus: cientistas relatam ameaças de morte em disputa política da cloroquina

Após falta de comprovação de eficiência, OMS suspendeu estudos com a cloroquina

Após falta de comprovação de eficiência, OMS suspendeu estudos com a cloroquina

Como ressaltou o site “Olhar Digital“, a publicação incluiu, por exemplo, uma citação quase idêntica à uma do filme “Batman: O Cavaleiro das Trevas” (2008). “A hidroxicloroquina é a heroína que o mundo merece, mas não a que ele precisa neste momento. Então os detratores vão caçá-la. Porque a hidroxicloroquina pode aguentar. Porque não é nossa heroína. É nossa guardiã silenciosa, nossa protetora vigilante. Uma cavaleira das trevas”, escreveram os autores.

– OMS suspende testes com cloroquina e pneumologista referência diz que se curou de coronavírus sem o remédio

Escolhida por ter aceito o artigo da endocrinologista e ginecologista Violaine Guérin — quem escreveu um estudo falho (e amplamente negado por respeitados periódicos científicos) para exaltar a hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19 —, a Asian Journal of Medicine and Health deixou passar falhas gravíssimas de metodologia no artigo dos patinetes.

Segundo a “Rádio França Internacional“, a revista é conhecida no meio por publicar estudos mediante pagamento, sem priorizar revisões sérias, feitas a partir de critérios científicos.

Protestante norte-americana e negacionista segura cartaz contra vacina e a favor da cloroquina

Protestante norte-americana e negacionista segura cartaz contra vacina e a favor da cloroquina

Indignados com o alcance da publicação do artigo falacioso de Guérin, um grupo de jovens pesquisadores resolveu se unir para escrever um novo estudo irônico e, assim, testar a revista. Com o intuito de tornar o artigo o mais caricato possível, os cientistas espalharam pistas da falsidade das informações durante todo o texto.

Além da relação ridícula entre o uso da hidroxicloroquina e da azitromicina com a redução de acidentes de patinete em Marselha — cidade francesa escolhida pelo grupo por ser a moradia do professor Didier Raoult, cientista que iniciou o movimento a favor da hidroxicloroquina no tratamento do coronavírus —, os jovens deram créditos a um suposto autor chamado Manis Javanica, que, na verdade corresponde ao nome científico do pangolim, animal que teria iniciado o ciclo de contágio do vírus.

Ainda entre os autores, consta Nemo Macron, que é o nome do animal de estimação do presidente da França, Emmanuel Macron, de 42 anos.

– Drauzio Varella critica médicos que defendem cloroquina: ‘Não consigo entender como apoiam negacionismo’

O estudo conta também com imagens e dados desconexos com a proposta e é concluído de uma forma ainda mais inacreditável. “Nos nossos estudos, a hidroxicloroquina foi associada a menores chances de acidentes com patinetes. É urgente prescrever hidroxicloroquina para todos os usuários de patinetes”, escrevem os autores na conclusão do artigo.

Segundo o suposto estudo, a hidroxicloroquina poderia diminuir o índice de acidentes de patinetes

“Não tínhamos certeza de que era um jornal predatório [que aceita artigos mediante pagamentos]. O objetivo era, portanto, testá-lo. Com esta publicação, colocamos em dúvida o estudo já publicado em meados de julho [de Violaine Guérin] sobre a hidroxicloroquina e rimos ao mesmo tempo”, conta Michaël Rochoy, médico francês e um dos verdadeiros autores do artigo, em entrevista ao “Le Parisien“.

De acordo com informações do site parisiense, o artigo foi tirado da página da revista ainda no dia 15 de agosto, mesmo dia em que foi postado, sob a justificativa de “grave fraude científica”.

Publicidade

Fotos: Getty Images


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.