Debate

Governo federal pode destruir santuário de pássaros com novo autódromo no RJ

por: Redação Hypeness

A floresta do Camboatá, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, corre risco de ser devastada. Há quase dez anos, o local é alvo do interesse público e privado para dar lugar a um novo circuito automobilístico na cidade, mas a ideia tomou força no ano passado, quando o prefeito da cidade, Marcelo Crivella, o governador do estado, Wilson Witzel, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, assinaram um termo de compromisso sobre o tema. A intenção é transferir o circuito do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 de Interlagos, em São Paulo, para o Rio. 

Como 1º viaduto vegetado para proteção de mico-leão dourado expõe falha ambiental

A floresta do Camboatá vista de cima: santuário de animais ameaçados corre risco de ser destruído.

A área de vegetação, localizada em Deodoro, é considerada um refúgio para muitas aves que migram do sul para o sudeste do país durante o inverno. A floresta ocupa um espaço de quase 200 hectares e está localizada muito próxima à Avenida Brasil, uma das principais vias da cidade.

Ali, segundo ambientalistas, é possível encontrar animais como o jacaré-de-papo-amarelo e a ave saíra-sapucaia. Em entrevista à “BBC”, o pesquisador Haroldo C. Lima, membro do Movimento SOS Floresta do Camboatá, afirmou que o local é uma espécie de ponto de parada para animais que precisam transitar entre outras partes da mata. “Com o avanço da cidade, florestas de terras baixas foram quase todas suprimidas. A floresta do Camboatá pelo menos continua fazendo esse papel de ponto de ligação”, explicou. 

Desmatamento no Brasil em 2019 foi 99% ilegal e país é o que mais destrói florestas no mundo

Algumas espécies podem transitar direto entre uma floresta e outra, mas outras precisam desses pontos de parada.

A localização da floresta também ajuda a amenizar o clima quente da região. Bairros ao redor do Camboatá são conhecidamente alguns dos que apresentam as maiores temperaturas em dias quentes na cidade. 

A simulação de como ficaria o autódromo de Deodoro. Construção devastaria Floresta do Camboatá.

A Rio Motorsports, conjunto de empresas do setor, venceu a licitação para realizar a construção do autódromo. Como única concorrente, levou o orçamento de R$ 697 milhões e o direito de comandar o circuito por 35 anos. Ao comentar o caso em oportunidades anteriores, a companhia afirmou que criaria um horto florestal e plantaria 700 mil árvores como forma de remediar o desmatamento. 

Governo libera reserva de 47 mil Km² na Amazônia para exploração

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro tem sido um grande aliado ao tentar evitar que a floresta seja destruída. Graças ao apoio da instituição, foi evitada a realização de uma audiência pública sobre a construção do projeto. A reunião é uma etapa necessária no processo para a liberação dos trabalhos. A decisão, no entanto, foi revertida na semana passada pelo ministro José Antonio Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), que autorizou a convocação da audiência. O MP-RJ recorreu da decisão.

Um estudo de impacto ambiental apresentado pela Rio Motorsports é questionado pelo Movimento SOS. “O estudo é bom, mas tem problemas. A empresa que o elaborou usou dados de forma tendenciosa para poder dizer que ali é o lugar em que o autódromo causará menos impacto ambiental, o que é uma conclusão quase ridícula. A área do Camboatá é a que tem a maior cobertura florestal entre as opções”, explica o pesquisador à “BBC”.

A flroesta do Camboatá vista de cima, em registro de satélite.

 

Publicidade

Foto 1: SOS Floresta do Camboatá/YouTube / Foto 2: Prefeitura do Rio / Foto 3: Google Maps


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Mariana Ferrer: advogado usou fotos sensuais para desqualificar vítima, diz ND+. ; Dedinho na boquinha’