Sustentabilidade

Grandes borboletas azuis extintas na Inglaterra são reintroduzidas depois de 150 anos

por: Kauê Vieira

Quando pensamos em animais sob risco de extinção, rapidamente visualizamos grandes mamíferos, felinos, macacos ou pássaros vistosos, mas a terrível verdade é que a ameaça se instaura sobre todo tipo de espécie – incluindo insetos como a Grande Borboleta Azul (Phengaris arion) que em 1979 foi declarada extinta no Reino Unido. Ao longo dos anos, porém, diversos programas de controle começaram a reintroduzir o animal na natureza com sucesso, e recentemente essa que se tornou uma das mais raras espécies do planeta voltou a ser avistada nos campos ingleses depois de um século e meio desaparecida da região.

Para a reintrodução da espécie na região de Cotswolds, uma cadeia de colinas no centro ao sudoeste da Inglaterra onde a Grande Borboleta Azul não era encontrada há 150 anos, foi necessário cinco anos de preparação do cenário. O trabalho incluiu a criação de uma espécie de formiga vermelha da qual a borboleta depende para se alimentar e crescer, e também o cultivo de tomilho selvagem e manjerona, plantas preferenciais para que o inseto coloque seus ovos. A Phengaris arion é a mais rara espécie dentre as nove borboletas azuis típicas do Reino Unido, e sua reintegração à natureza é a maior já realizada no país com o inseto, e vem sendo celebrada como um grande sucesso.

Um dos ovos da espécie já encontrados na natureza

Das 1.100 larvas introduzidas nos campos próximos às cidades de Minchinhampton e Rodborough, no condado de Gloucestershire, 750 emergiram e bateram suas asas na região, sendo devidamente monitoradas por uma equipe. Os cientistas confirmaram que os animais depositaram seus ovos com sucesso, o que representa outro passo fundamental para a reintrodução total da espécie em seu habitat.

A destruição da natureza e a sanha de colecionadores do inseto foi o motivo pelo qual, mais de 40 anos atrás, a Phengaris arion inicialmente desapareceu.

Publicidade

© fotos: PA


Kauê Vieira
Nascido na periferia da zona sul de São Paulo, Kauê Vieira é jornalista desde que se conhece por gente. Apaixonado pela profissão, acumula 10 anos de carreira, com destaque para passagens pela área de cultura. Foi coordenador de comunicação do Projeto Afreaka, idealizou duas edições de um festival promovendo encontros entre Brasil e África contemporânea, além de ter participado da produção de um livro paradidático sobre o ensino de África nas Escolas. Acumula ainda duas passagens pelo Portal Terra. Por fim, ao lado de suas funções no Hypeness, ministra um curso sobre mídia e representatividade e outras coisinhas mais.


X
Próxima notícia Hypeness:
Concentração de CO2 aumenta em níveis recordes mesmo na pandemia