Debate

Guga Chacra, da Globo, chora ao falar sobre explosão em Beirute, no Líbano

por: Yuri Ferreira

O jornalista e comentarista político Guga Chacra, da Globo, se emocionou profundamente ao comentar a explosão que destruiu a zona portuária de Beirute, no Líbano, na última terça-feira (4). Ao Jornal das 10, o mestre em Relações Internacionais apareceu profundamente tocado com a tragédia, que deixou 78 mortos e mais de 4 mil feridos. Chacra é descendente de libaneses e tem uma relação íntima com a cultura do país.

Chacra é um dos principais analistas da situação política no Oriente Médio e é um grande admirador da cultura do Líbano, um dos poucos países da região que assegura uma convivência relativamente estável entre diversos grupos religiosos.

– Líbano: padre foge de explosão durante missa e repórter é arrancada de cadeira ao vivo

Jornalista com ascendência libanesa se emocionou a comentar a terrível tragédia que assolou Beirute na tarde de terça-feira

A surpreendente explosão que tirou centenas de vidas ontem tem causa explicada: um reservatório de nitrato de amônia causou a tragédia. Entretanto, não se sabe se o fato teve origem planejada e se houve interferência internacional ou de grupos terroristas na ação. Isso não pode, é claro, nos deixar esquecer a tragédia que destrói Beirute mais uma vez, a primeira desde o encerramento do conflito Líbano-Israel, encerrada em 2006 e da Guerra Civil, que acabou nos anos 90.

– Líbano: nitrato de amônio causou outras 3 grandes explosões na história humana

Emocionado, Chacra se despediu de Aline Midlej claramente abatido emocionalmente. “É essa tragédia de Beirute, que ao mesmo tempo é uma cidade mágica que não tem como não se apaixonar e eu…”, parou de falar, com as mãos no rosto. E então continuou: “Ver o que aconteceu, destruída de novo, depois de se reerguer nos anos 1990, e se reerguer de novo, depois de destruída de novo em 2006”. Veja o vídeo:

Chacra é morador de Nova York, nos EUA, mas mantém íntima relação com o Líbano e reitera que os imigrantes que vieram da região do Levante (que compreende Líbano, Síria, Palestina,e partes de Turquia, Jordânia e Iraque) tiveram grande proeminência no Brasil. No artigo ‘Minha carta para nós brasileiros descendentes de sírios e libaneses’publicada no blog ‘De Nova York a Beirute’, Guga conta a história de seus antepassados e reitera a necessidade de uma atenção política para que os refugiados dessa região em tempos atuais sejam acolhidos pelo povo brasileiro.

– Coronavírus: Líbano autoriza cultivo de maconha para recuperar economia

“Como eu, há milhões de brasileiros descendentes de sírios e libaneses com histórias parecidas. Acho que nós temos de estar na vanguarda da defesa dos refugiados, pois, no mundo todo, não há um lugar onde pessoas vindas da Síria e do Líbano, sejam refugiadas ou imigrantes, tenham alcançado tanto sucesso. Temos de provar que os refugiados e imigrantes, como nossos avós e bisavós, tem tudo para dar certo onde forem recebidos. E temos de ajudá-los”, disse Chacra, em 2015.

 

Publicidade

Fotos: Reprodução/GloboNews


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
PM espanca mulher algemada na frente dos filhos e dentro de delegacia