Debate

Homem negro que perdeu movimento das pernas após 7 tiros de policial branco separava briga

por: Yuri Ferreira

Menos de 3 meses após a morte de George Floyd, uma nova onda de protestos por justiça pelo povo negro toma os EUA. Jacob Blake, um homem negro morador de Wisconsin, tomou sete tiros e perdeu o movimento das pernas após uma ação policial. Ele estava acalmando uma briga quando o fardado atirou a queima roupa em suas costas.

A família de Blake, que tem apenas 29 anos e se encontra hospitalizado, confirmou à imprensa americana que ele ficou paraplégico e apelou às autoridades para que a Justiça seja feita em nome de Jacob. O nome do policial ainda não foi revelado.

– Policial estrangula jovem negro em SP cena idêntica ao caso George Floyd

Jacob Black: mais uma vítima da violência policial descarada dos EUA

“Estou pedindo e encorajando todos os cidadãos de Wisconsin e região para respirar por um momento e examinar o próprio coração. Cidadãos, policiais, bombeiros, clérigos e políticos, façam Justiça por Jacob nesse momento. Precisamos de paz e precisamos melhorar”, afirmou Julia Jackson, mãe de Jacob.

– Derek Chauvin, policial branco que matou George Floyd, tem histórico de raiva, humilhação e poucas punições

As imagens a seguir mostram o crime da polícia, que atirou sete vezes nas costas do pai de família. Os três filhos de Jacob viram a cena de dentro do carro.

Nova onda de manifestações antirracistas

População se manifesta contra violência policial em manifestações que prometem se alongar pelos EUA

A brutal tentativa de assassinato da polícia levou a uma nova onda de protestos do Black Lives Matter ao redor do país. Em Kenosha, Winsconsin, onde o crime aconteceu, as manifestações estão sendo reprimidas por duro aparato militar do governo federal estadunidense. Dois jovens que participavam do movimento foram assassinados e o principal suspeito é um jovem de 17 anos que admirava a polícia, conforme reportagem da ABC News.

– Após assassinato de George Floyd, maioria de conselheiros quer dissolução da polícia de Minneapolis

Milícias de supremacistas brancos começaram a atirar com fuzis contra manifestantes antirracistas

Os manifestantes alegam que o jovem faz parte de uma milícia de supremacistas brancos, tendo em vista que durante as manifestações outros homens abriram fogo diretamente contra os populares.

– EUA: negros pagam com vida o preço da pandemia no país onde saúde depende da raça e do bolso

Donald Trump, presidente dos EUA, ordenou o envio da Guarda Nacional, força de policiais de todo o país para reprimir as manifestações e retomar o controle da cidade. Entretanto, em outras capitais e em Washington, D.C, mais protestos estão marcados, reforçando a segunda onda de manifestações pelo fim do racismo e pela refundação da polícia no país em 2020:

“Eu não estou triste, não estou me sentindo culpada. Estou com raiva e estou cansada. Não consegui chorar nenhuma vez porque parei de chorar há anos. Estou cansada e paralisada; estamos assistindo policiais assassinando jovens pretos por anos e anos. Eu não quero a pena de ninguém. Eu quero mudança”, afirmou  a irmã mais velha de Jacob, Letetra Widman, em um discurso tocante.

Repressão policial às manifestações é intensa e a cada momento que passa os EUA se parecem mais com um estado totalitário

O Milwaukee Bucks, time de basquete de Wisconsin, está boicotando o 5º jogo dos playoffs da NBA contra o Orlando Magic em protesto contra a morte de Jacob. A NBA tem se prostrado contra a violência policial e em prol das vidas negras nos EUA, mostrando a importância dos esportes em questões sociais latentes na sociedade norte americana.

Publicidade

Fotos: Destaques: Reprodução/Facebook Foto 1: Reprodução/Facebook Fotos 2, 3 e 4: © Getty Images


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Revista suspende colunista após masturbação em reunião online