Debate

Jovem negro é morto no dia do aniversário por PM que achou que ele fosse atirar

por: Yuri Ferreira

Nesse domingo (9), Rogério Ferreira da Silva Júnior comemorava o seu aniversário de 19 anos dando um rolê de moto. Enquanto passava pela Avenida dos Pedrosos, na Zona Sul de São Paulo, foi perseguido por policiais. Quando ele parou o veículo para a abordagem, foi assassinado com dois tiros. É mais um jovem que entra para a estatística de mortos pela PM paulista, que bateu recorde de assassinatos em 2020.

Segundo a versão dos policiais Guilherme Tadeu Figueiredo Giacomelli e Renan Conceição Fernandes Branco, ao parar a moto, o jovem havia colocado a mão na cintura, como se fosse pegar uma arma. Depois de ter acabado com a vida de Rogério no dia de seu aniversário, eles perceberam que ele não tinha nenhum revólver. Pois é.

– O uso da palavra ‘genocídio’ no combate ao racismo estrutural

Esse é o momento em que as câmeras de segurança registram o assassinato

O Boletim de Ocorrência registrado pelos policiais da ROCAM (Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas) afirma que os PMs haviam atirado durante perseguição na moto, o que foi contradito pelas imagens de câmeras de segurança.

– Miguel e João Pedro: a morte pelo racismo que você, branco, finge não ver

“Aparentemente, o rapaz estava parando a moto, diante da perseguição policial, quando é alvejado. Em princípio, a vítima não esboçou nenhuma reação. Pelas imagens, teria ocorrido uma possível execução. É um homicídio, que precisa ser investigado pela Polícia Civil e pela Corregedoria da PM para que todas as circunstâncias da ação sejam esclarecidas”, afirmou ao advogado Ariel Castro, conselheiro do Condepe (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana), à Ponte Jornalismo.

– Adolescente negro de 15 anos encontrado morto após sequestro na porta de casa gera protestos; família suspeita de PMs

“Todas as circunstâncias relacionadas aos fatos estão sendo apuradas pela Polícia Militar, por meio de IPM, e pelo DHPP, onde o caso está sendo registrado. A Corregedoria da PM também foi acionada”, informou a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, em comunicado.

Confira o vídeo (imagens fortes):

Mesmo com a pandemia, os dados da corregedoria da polícia paulista mostram que 2020 foi o ano recorde de assassinatos causados pela PM. Até 14 de julho, foram 442 vítimas de abordagens policiais violentas. Rogério é mais uma delas, que em sua vasta maioria são negras como ele.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Twitter


Yuri Ferreira
Jornalista formado na Escola de Jornalismo da Énois. Já publicou em veículos como The Guardian, UOL, The Intercept, VICE, Carta e hoje escreve aqui no Hypeness. No twitter, @porfavorparem.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Oscar Magrini diz que Globo tinha ‘sala do pó’ e do ‘c*’ ao falar de ‘teste do sofá’