Debate

Michelle Bolsonaro bate-boca com primo que a acusou pela morte da avó por covid-19: ‘Seu moleque’

por: Karol Gomes

Michelle Bolsonaro entrou em rota de colisão com um primo após o falecimento da avó Maria Aparecida Firmo Ferreira, vítima de covid-19, em Ceilândia, no Distrito Federal. O influenciador digital Eduardo fez uma série de posts mostrando a briga que teve com sua prima, a primeira-dama do país, a quem acusa de não ter feito nada para salvar a vida da matriarca. 

Eduardo expôs prints de uma conversa em que Michelle ameaça processá-lo e rebateu cada um dos comentários da prima, afirmando que ela ‘baixou o nível‘ e que não tem medo de nenhum tipo de ameaça que parta dela.

– Repórteres assustados com Bolsonaro sem máscara são afastados; presidente pode ter passado coronavírus para 76

“A coisa está ficando bem séria. Sim, sou primo da criatura, a mais ingrata que conheci na vida. Foi a primeira vez que ela me respondeu aqui no Instagram e consegui chamar a atenção dela. Como vocês viram, ela disse que vai me processar, desceu o nível e nem parece uma primeira-dama, mas ok e a gente nem releva essa parte”, disse, usando os stories do Instagram. 

A conversa entre Eduardo d’Castro e a prima, Michelle Bolsonaro

– Coronavírus: Brasil completa 1 mês sem ministro da Saúde com 43,9 mil mortos e 3º maior número de óbitos em 24h

Eduardo continuou seu pronunciamento: “Não tenho medo dela, nem de quem ela é e menos ainda das coisas que ela pode fazer. Em momento algum falei mentiras sobre ela. Se quiser bater de frente, a gente vai. Não tem problema não”.

Eduardo também declarou que a imagem de uma primeira-dama é pública e salientou que não fez nenhum tipo de calúnia ou comentário mentiroso sobre o caso da avó. “Nós da família sempre a defendemos, tínhamos um carinho muito grande, mas o poder sobe à cabeça das pessoas. Se tornou uma pessoa que ninguém reconhece mais, não gosta mais e quem bajula faz isso por ela ser quem é”, disse.

– Atila Iamarino critica reabertura do Brasil em meio ao caos do coronavírus: ‘Não fez lição de casa’

O influenciador digital – e primo da primeira-dama – Eduardo d’Castro

Por fim, o influencer ainda deixou no ar que tem “muita coisa para falar” sobre Michelle que foram guardadas por anos para defender o nome e a posição da mulher do presidente da República.

– SP reabre com ruas cheias, 2 recorde mortos seguidos e quase 9 mil óbitos pelo coronavírus

“Pode xingar, gritar, espernear, mentir sobre o meu nome, não me importo porque não tenho medo dela. Se ela não tem educação, os meus pais me ensinaram isso muito bem. Vou bater de frente da forma como eu conseguir e que eu achar interessante e educado. É isso, gente, vocês vão conhecer mais da minha priminha. Eba”, ironizou.

Nota oficial de Michelle

Michelle Bolsonaro se defendeu da exposição feita por Eduardo e disse que “infelizmente muitos se aproveitam da nossa posição para buscar holofotes”. A primeira-dama compartilhou uma nota oficial assinada pela Secretaria Especial de Comunicação Social do Ministério das Comunicações.

– Coronavírus: enfermeira desabafa após onda de hospitais invadidos no Brasil

“A primeira-dama Michelle Bolsonaro recebeu com pesar a notícia sobre o falecimento da avó. Ela sente e afirma que é um momento de tristeza e dor para toda a família. A senhora Michelle Bolsonaro lamenta que alguns parentes tratem certos momentos tão pessoais com oportunismo em desrespeito ao sofrimento de todos. Ela permanece recolhida em casa em tratamento contra o novo coronavírus e espera que o momento de luto seja respeitado, acima de quaisquer questões pessoais e familiares”, informou.

Maria Aparecida – avó de Michelle Bolsonaro 

Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 80 anos, estava internada desde o dia 1º de julho. Ela foi levada para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC) após ser encontrada por populares caída na rua e com falta de ar. 

– Yanomami, que podem ter 40% de infectados pelo coronavírus, sofrem ataque ambiental impressionante

Ao dar entrada no hospital, segundo reportagem do site G1, Maria Aparecida disse que há 15 dias apresentava sintomas como tosse seca, febre, coriza, falta de apetite, falta de ar progressiva e dor abaixo das costelas. 

Em seguida, com a piora do seu quadro de saúde, ela foi encaminhada para outro hospital público do Distrito Federal, o Regional de Santa Maria (HRS), onde ficou durante um mês em uma unidade de terapia intensiva. Assim que apresentou melhora, a idosa voltou para o HRC, onde acabou falecendo. 

– Dados e estatísticas coronavírus: 5 sites te ajudam a se manter informado após o ‘apagão’

A avó da primeira-dama morava no Sol Nascente, periferia da capital. Junto com Ceilândia, a região tem o maior número de infecções pela Covid-19 no Distrito Federal. A idosa não mantinha contato com a neta nem com a família do presidente Jair Bolsonaro.

A primeira-dama Michelle Bolsonaro

– Depois de confundir xenofobia com misoginia, Michelle Bolsonaro viraliza nas redes

Desde que Maria Aparecida foi internada, o Palácio do Planalto e a primeira-dama não se pronunciaram sobre o assunto. Após a confirmação da morte de Maria Aparecida, também não houve manifestações do governo nem de Michelle até o fechamento desta edição.

Na noite desta quarta-feira (12), o presidente Bolsonaro conversou com jornalistas sobre assuntos econômicos. Ele citou a pandemia do novo coronavírus logo no início da sua fala, mas não se pronunciou sobre a morte da avó de sua mulher e bisavó da sua filha caçula.

Publicidade

Fotos: Reprodução/Instagram


Karol Gomes
Karol Gomes é jornalista e pós-graduada em Cinema e Linguagem Audiovisual. Há cinco anos, escreve sobre e para mulheres com um recorte racial, tendo passado por veículos como MdeMulher, Modefica, Finanças Femininas e Think Olga. Hoje, dirige o projeto jornalístico Entreviste um Negro e a agência Mandê, apoiando veículos de comunicação e empresas que querem se comunicar de maneira inclusiva.


X
Próxima notícia Hypeness:
Governo do Amazonas enviou pedido de oxigênio ao RJ para e-mail errado