Debate

Pernambuco quase teve explosão parecida como a que destruiu Beirute, no Líbano

por: Redação Hypeness

Era madrugada quando um oficial da Polícia Militar de Pernambuco acordou o então governador Roberto Magalhães. Durante a noite do dia 12 de maio de 1985, um incêndio atingiu um dos tanques do navio Jatobá, ancorado no Porto do Recife. A embarcação carregava 1,5 mil toneladas de gás butano e o fogo os consumia de forma fugaz. A maior preocupação, no entanto, era que o incêndio chegasse no Parque de Tancagem do Brum, onde estavam estocados mais de 150 mil metros cúbicos de produtos inflamáveis.  

Guga Chacra, da Globo, chora ao falar sobre explosão em Beirute, no Líbano

A devastação causada pela explosão no porto de Beirute, no Líbano.

Se as chamas se alastrassem, a história se assemelharia ao desastre que atingiu Beirute, no Líbano, na última semana, e que deixou 145 pessoas mortas e centenas de milhares de desabrigados. O Centro Histórico do Recife seria destruído assim como outros bairros próximos. 

Ele disse que, se houvesse outra explosão, ou se o fogo chegasse aos outros dois navios, o raio de ação seria de cinco quilômetros. E o Palácio estava a menos de mil metros, em linha reta, do cais”, lembra o ex-governador, em entrevista à “BBC”.

No meio da madrugada, percebeu-se que a explosão estava prestes a acontecer e as autoridades começaram a tentar evacuar o bairro do Recife, onde ficava o porto A situação foi contornada graças a ação heroica de um prático do porto, seu Nelcy da Silva Campos. 

Líbano: padre foge de explosão durante missa e repórter é arrancada de cadeira ao vivo

O incêndio no Jatobá mobilizou bombeiros do Recife na madrugada daquele dia 12 de maio de 1985.

Sem ser chamado, ele foi até o local do incêndio para tentar levar o petroleiro em chamas para o meio do mar. Afastados da costa, a explosão da embarcação causaria um desastre menor e salvaria vidas. 

À “BBC”, o filho do prático, Nelcy Campos Filho, conta que o pai ajudou a manobrar o navio que estava na frente do Jatobá, chamado de Barão do Rio Branco. Depois de colocá-lo a 400 metros de distância, retornou para também realocar outro navio, o Poween Agrata, que estava próximo. A movimentação era fundamental para evitar que o fogo se espalhasse. 

Líbano: nitrato de amônio causou outras 3 grandes explosões na história humana

Só depois de manobrar os dois navios, seu Nelcy amarrou um rebocador no navio em chamas e o levou para cerca de seis quilômetros da costa. O incêndio continuou por mais 15 horas, mas viu as chamas apagarem com uma forte chuva que caiu sobre o Recife.

Pelo ato heroico, seu Nelcy ganhou um busto da Marinha do Brasil. A homenagem foi colocada em frente ao Terminal Marítimo de Passageiros do Porto do Recife. Seu Nelcy morreu cinco anos depois, mas marcou a história da capital pernambucana.  

Busto em homenagem a Seu Nelcy foi colocado exposto no Porto do Recife.

Publicidade

Foto 1: Getty Images / Foto 2: Arquivo pessoal/Tenente Marcos / Foto 3: Porto do Recife


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Sobrinho de Pablo Escobar encontra R$ 100 milhões em antigo apartamento do tio