Debate

Polícia prende suspeito de comer carne de cachorro e oferecer aos vizinhos como se fosse porco

por: Redação Hypeness

Um jovem de 19 anos foi preso por corrupação na noite de quinta-feira (6), em Curitiba, Paraná. Ele ofereceu dinheiro à polícia para não ser preso por outro crime, em que é suspeito de ter matado, assado e comido um cachorro, além de oferecer o ‘prato‘ aos vizinhos como se fosse carne de porco. 

De acordo com o delegado Matheus Laiola, o suspeito confessou ter comido o cão e ainda disse que já comeu um periquito. Além disso, pediu para comer gansos na delegacia. 

= Polícia suspeita que marmita envenenada tenha matado moradores de rua e cachorro

Câmeras de segurança captaram o momento em que o jovem carrega o corpo do cachorro

O suspeito, que não teve a identidade revelada,  foi preso perto do local onde mora, onde os investigadores encontraram sangue e os rastros do cachorro dentro do forno. A Polícia Civil chegou até a casa dele depois de receber uma denúncia de que um rapaz, no dia 29 de julho, matou um cachorro aos chutes e estava oferecendo a carne do animal – como de fosse de porco – para vender no bairro.

= Luisa Mell cobra responsabilidade de Claudia Ohana após devolução de cachorros adotados

– Jiboia é resgatada pela Polícia após comer cachorro em João Pessoa

O rapaz possui passagens pela polícia por agressão, violação de domicílio e porte de simulacro de arma de fogo, de acordo com o delegado. Ele também vai responder pelo crime de maus-tratos a animais. O irmão do suspeito contou à polícia que o jovem é viciado em drogas e tem pouco contato com a família.

Publicidade

Foto: Divulgação / Polícia Civil


Redação Hypeness
Acreditamos no poder da INSPIRAÇÃO. Uma boa fotografia, uma grande história, uma mega iniciativa ou mesmo uma pequena invenção. Todas elas podem transformar o seu jeito de enxergar o mundo.

Branded Channel Hypeness

Marcas que apoiam e acreditam na nossa produção de conteúdo exclusivo.



X
Próxima notícia Hypeness:
Joinville elege 1ª vereadora negra que rapidamente se torna alvo de racismo e ameaças de morte